Exemplo

RASTRO

screenshot 2

À beira de um grande charco, vivia um casal com seu filhinho Henrique. Um dia, Henrique seguiu o pai, pântano a dentro, sem que ninguém o percebesse, Quando deram pela falta do menino, puseram-se a procura-lo, ansiosos. Finalmente, descobriram seus pequenos rastros rumo ao charco.

Em cada pegada deixada pelo pai, via-se o rastro do pequenino sapato de Henrique. Os pais o seguiram, penetrando no charco, forçando a vista, no afã de descobrir o paradeiro do filhinho. Chegando ao outro lado do pantanal encontraram o pequeno Henrique… sentado!

É que, como ele não conseguisse mais ver os rastros do pai, ele se sentou à espera de que o pai o viesse buscar. E assim pôde ser encontrado.

Seria maravilhoso se, como filhos de Deus que somos, nossos rastros sempre fossem encontrados somente onde as pegadas do nosso Salvador Jesus Cristo assinalam o caminho!

ESTOU PENSANDO… por onde anda Meu rastro… e você ?

Exemplo

PAGANINI

118153651

Era uma vez um grande violinista chamado PAGANINI. Alguns diziam que ele era muito estranho. Outros, que era sobrenatural. As notas mágicas que saiam de seu violino tinham um som diferente, por isso ninguém queria perder a oportunidade de ver seu espetáculo.

Numa certa noite, o palco de um auditório repleto de admiradores estava preparado para recebê-lo. A orquestra entrou e foi aplaudida. O maestro foi ovacionado. Mas quando a figura de Paganini surgiu, triunfante, o público delirou. Paganini coloca seu violino no ombro e o que se assiste a seguir é indescritível. Breves e semibreves, fusas e semifusas, colcheias e semicolcheias parecem ter asas e voar com o toque daqueles dedos encantados.

DE REPENTE, um som estranho interrompe o devaneio da platéia. Uma das cordas do violino de Paganini arrebenta. O maestro parou. A orquestra parou. O público parou. Mas Paganini não parou. Olhando para sua partitura, ele continua a tirar sons deliciosos de um violino com problemas. O maestro e a orquestra, empolgados, voltam a tocar.

Mal o público se acalmou quando, DE REPENTE, um outro som perturbador derruba a atenção dos assistentes. Uma outra corda do violino de Paganini se rompe. O maestro parou de novo. A orquestra parou de novo Paganini não parou. Como se nada tivesse acontecido, ele esqueceu as dificuldades e avançou tirando sons do impossível. O maestro e a orquestra, impressionados
voltam a tocar.

Mas o público não poderia imaginar o que iria acontecer a seguir. Todas as pessoas, pasmas, gritaram OOHHH! Que ecoou pela abobadilha daquele auditório. Uma terceira corda do violino de Paganini se quebra. O maestro pára. A orquestra pára. A respiração do público pára. Mas Paganini não pára. Como se fosse um contorcionista musical, ele tira todos os sons da única
corda que sobrara daquele violino destruído. Nenhuma nota foi esquecida. O maestro empolgado se anima. A orquestra se motiva. O público parte do silêncio para a euforia, da inércia para o delírio. Paganini atinge a glória.
Seu nome corre através do tempo. Ele não é apenas um violinista genial. É o símbolo do profissional que continua diante do impossível.
_____

Eu não sei o tipo de problemas que você está tendo. Pode ser um problema pessoal, conjugal, familiar, sei lá o quê é que está afetando sua estima ou seu desempenho profissional. Mas uma coisa eu sei. Nem tudo está perdido. Ainda existe uma corda e é tocando nela que você exercerá seu talento. Tocando nela é que você irá vibrar. Aprenda a aceitar que a vida sempre lhe deixará uma última corda. Quando você estiver desanimado, nunca desista. Ainda existirá a corda da persistência inteligente, do “tentar mais uma vez”, do dar um passo a mais com um enfoque novo.

Desperte o Paganini que existe dentro de você e avance para vencer. Vitória é a arte de você continuar, onde os outros resolvem parar. Quando tudo parece ruir, dê uma chance a você mesmo e vá em frente. Toque na corda da motivação e tire sons de resultados positivos. Mas antes pergunte: quem motiva o motivador? Isto é: quem motiva seu cérebro, que motiva sua mão, que toca seu violino ?

Não se frustre, não se desespere, lembre-se: ainda existe a última corda: a do aprender de novo para deslumbrar e gerar soluções.

Exemplo

O PODER DA DOÇURA

cachoeiramovi

O viajante caminhava pela estrada, quando observou o pequeno rio que começava tímido por entre as pedras. Foi seguindo-o por muito tempo. Aos poucos, ele foi tomando volume e se tornando um rio maior. O viajante continuou a segui-lo.
Bem mais adiante, o que era um pequeno rio se dividiu em dezenas de cachoeiras, num espetáculo de águas cantantes.
A música das águas atraiu mais o viajante, que se aproximou e foi descendo pelas pedras, ao lado de uma das cachoeiras. Descobriu, finalmente, uma gruta.
A natureza criara com paciência caprichosa, formas na gruta. Ele a foi adentrando, admirando sempre mais as pedras gastas pelo tempo.
De repente, descobriu uma placa. Alguém estivera ali antes dele. Com a lanterna, iluminou os versos que nela estavam escritos. Eram versos do grande escritor Tagore, prêmio Nobel de literatura de 1913:

“Não foi o martelo que deixou perfeitas estas pedras, mas a água, com sua doçura, sua dança, e sua canção.
Onde a dureza só faz destruir, a suavidade consegue esculpir.”

Exemplo

NUNCA MAIS RECLAMO

soldado

De volta à meados dos anos 70…

Um homem está viajando e para em um posto de gasolina em meio a um torrencial aguaceiro. Ele confortavelmente sentado dentro de seu carro seco, enquanto um homem, que assobiava alegremente enquanto trabalhava, encheu seu tanque debaixo daquela chuva terrível.

Quando o cliente estava partindo, como que se desculpando, disse,
– Sinto muito que você tenha que estar aí fora com este tempo.

O atendente respondeu,
– Não me aborrece nem um pouco. Quando eu estava lutando no Vietnã eu prometi a mim mesmo que se um dia eu conseguisse sair vivo daquele lugar, eu seria tão grato que nunca mais reclamaria sobre qualquer coisa novamente. E assim tem sido e nada me aborrece.

Assumir a responsabilidade por nossas atitudes é parte da construção de uma vida íntegra e feliz.

Cultura, Exemplo

O VESTIDO AZUL

screenshot

Num bairro muito pobre de uma cidade distante, morava uma garotinha muito bonita.
Ela freqüentava a escola local. Sua mãe não tinha muito cuidado e a criança quase sempre se apresentava suja. Suas roupas eram velhas e maltratadas. Até um dia em que um professor penalizou-se com a menininha. Como uma garota tão bonita pode vir para a escola tão mal arrumada? Separou algum dinheiro de seu salário e, embora com dificuldade, lhe comprou um vestido novo. A garotinha ficou ainda mais bonita no seu vestidinho azul. Quando a mãe viu a menina naquele vestido azul, sentiu que era lamentável que sua filha, vestindo aquele traje novo, fosse tão sujinha para a escola. Por isso passou a lhe dar banho todos os dias, pentear seus cabelos, cortar e limpar suas unhas. Depois de uma semana, o pai falou: “Mulher, você não acha uma vergonha que nossa filha, sendo tão bonita e bem arrumada, more em um lugar como este, caindo aos pedaços? Que tal ajeitar a casa? Nas horas vagas vou pintar as paredes, consertar a cerca e plantar um jardim”. Em pouco tempo a casa da garotinha destacava-se na pequena vila pela beleza das flores que enchiam o jardim, pela limpeza, pelo capricho de seus moradores com seus pequenos detalhes. Os vizinhos ficaram envergonhados por morar em barracos feios e resolveram também arrumar suas casas, plantar flores, usar pintura, água e sabão, além de criatividade. Logo, o bairro estava todo transformado. Um homem que acompanhava os esforços e as lutas daquela gente achou que eles bem que mereciam um auxílio das autoridades. Foi ao prefeito e expôs suas idéias e saiu de lá com autorização para formar uma comissão para estudar os melhoramentos que seriam necessários no bairro. A rua de lama foi substituída por asfalto e calçadas de pedra. Os esgotos a céu aberto foram canalizados e o bairro ganhou ares de cidadania.
Tudo começou com um vestidinho azul.
Não era a intenção daquele professor consertar a rua, nem criar um organismo que socorresse o bairro. Ele fez o que podia apenas a parte que lhe cabia. Qual será a parte de cada um de nós? Será que basta apontar os buracos da rua, reclamar dos erros do vizinho e cuidar apenas do portão para dentro? É difícil mudar o estado total das coisas. É difícil varrer toda a rua, mas é fácil varrer nossa calçada. É difícil modificar o bairro, mas podemos começar pela nossa casa, deixando-a mais bonita. É difícil reconstruir o planeta, mas é possível dar um vestido azul.

Exemplo, Política

E PARA PRESIDENTE…

 

Untitled-1

Aproxima-se a eleição para Presidente da República, e uma família reunida conversava sobre como deveria ser o perfil do novo presidente:

– Deve ser honesto, acima de tudo !

– Conhecedor profundo dos problemas do país!

– Que faça convergir as forças políticas para o bem do povo !

– De moral inatacável !

– E honrado !

E assim, de adjetivo em adjetivo, desenhavam o retrato do líder em potencial.

Esquecido em um canto da sala, o pequeno Tales parecia distraído com seus brinquedos, mas na verdade captava toda a conversa. Ouvindo falar como deveria ser o futuro presidente do Brasil, Tales ergue a cabeça e se intromete na conversa dos grandes:

– Então, papai, eles deviam chamar o senhor para presidente.

Prezado pai, seu filho poderia sair em campanha anunciando:

 “PAPAI PARA PRESIDENTE”?

Exemplo, lição de vida

VENENO PARA SOGRA

veneno

Há muito tempo atrás, uma menina chamada Lili se casou e foi viver com a sogra. Em um tempo muito curto, Lili descobriu que não ia se dar bem com ela. As personalidades delas eram muito diferentes, e Lili foi se enfurecendo com seus hábitos. Meses e meses se passaram, Lili e sua sogra nunca deixaram de discutir e brigar. Segundo a antiga tradição chinesa, Lili tinha que se curvar à sogra e obedecer em tudo o que desejasse. Toda a raiva e infelicidade dentro da casa estavam causando ao pobre marido um grande stress. Finalmente, Lili, não agüentando mais, decidiu tomar uma atitude. Foi ver seu pai, o Sr. Huang, que vendia ervas. Ela lhe contou sobre a situação e pediu que ele lhe desse algum veneno, de forma que ela poderia resolver o problema de uma vez por todas. Sr. Huang pensou e, finalmente, disse: “Eu ajudarei a resolver seu problema, mas você tem que me escutar e obedecer a todas as instruções”. Sr. Huang lhe deu um pacote de ervas. Ele disse: “Você não pode usar de uma só vez, porque isso causaria suspeitas. Vou lhe dá várias ervas que vão lentamente envenenar sua sogra. A cada dois dias, prepare alguma carne,e ponha um pouco destas ervas no prato dela. Para ninguém suspeitar quando ela morrer, você deve ter desde agora muito cuidado e agir carinhosamente com ela. Trate-a como uma rainha”. Lili voltou apressada para casa, pensando em começar a assassinar a sua sogra. Semanas e meses se passaram, e Lili servia comida envenenada à sogra. Ela controlou o seu temperamento, e a tratou como se fosse sua própria mãe. Depois que seis meses tinham passado, a casa inteira tinha mudado. Lili e a sogra estavam se tratando como verdadeiras mãe e filha. Lili voltou a pedir ajuda Sr. Huang: “Por favor, me ajude a evitar que o veneno mate minha sogra! Eu a amo como minha própria mãe”. Ele respondeu: “Eu nunca lhe dei qualquer veneno. As ervas eram vitaminas! O único veneno estava em sua mente e em sua atitude, mas tudo foi jogado fora pelo amor que você deu a ela”.

engano, Exemplo, Humor

MARCAS DE BATOM

 

 

Batom espelho

Numa escola pública estava ocorrendo uma situação inusitada: uma turma de meninas de 12 anos, que usava batom, todos os dias removia o excesso beijando o espelho do banheiro.

O diretor andava bastante aborrecido porque o zelador tinha um trabalho enorme para limpar o espelho ao final do dia. Mas, como sempre, na tarde seguinte, lá estavam as mesmas marcas de batom.

Chegou a chamar a atenção delas por quase 2 meses, e nada mudou, todos os dias acontecia a mesma coisa….

Um dia o diretor juntou o bando de meninas e o zelador no banheiro, explicou pacientemente que era muito complicado limpar o espelho com todas aquelas marcas que elas faziam.

Depois de uma hora falando,e elas com cara de deboche, o diretor pediu ao zelador “para demonstrar a dificuldade do trabalho”.

O zelador imediatamente pegou um pano, molhou no vaso sanitário e passou no espelho.

Nunca mais apareceram marcas no espelho!

Exemplo, lição de vida, Sabedoria

A TARTARUGA

tartaruga-para-colorir-4

Eu percebia que aquilo aborrecia muito os meus pais, porém pouco me importava com isso. Desde que obtivesse o que queria, dava-me por satisfeito. Mas, está claro, se eu importunava e agredia as pessoas, estas passaram a tratar-me de igual maneira. Cresci um pouco e de certa feita me apercebi de que a situação era desconfortante e me preocupei sem, entretanto, saber como me modificar.

O aprendizado me foi dado em um domingo em que fui, com meus pais e meus irmãos, passar o dia no campo. Corremos e brincamos muito até que, para descansar um pouco, dirigi-me para a margem do riacho que coleava entre um pequeno bosque e os campos. Ali encontrei uma coisa que parecia uma pedra capaz de andar.

Era uma tartaruga.

Examinei-a com cuidado e quando me aproximei mais, o estranho animal encolheu-se e fechou-se dentro de sua casca.

Foi o que bastou.

Imediatamente pretendi que ela devia sair e, tomando um pedaço de galho, comecei a cutucar os orifícios que haviam na carapaça.

Mas o meu esforço resultava em vão e eu estava ficando, como sempre, impaciente e irritado.

Foi quando meu pai se aproximou.

Olhou por um instante o que eu estava fazendo e, em seguida, pondo-se de cócoras junto a mim, disse calmamente:

– Meu filho, você está perdendo o seu tempo.

Não vai conseguir nada, mesmo que fique um mês cotucando a tartaruga.

Não é assim que se faz.

Venha comigo e traga o bichinho.

Acompanhei-o e ele se deteve perto na fogueira que havia aceso com gravetos do bosque. E me disse:

– Coloque a tartaruga aqui, não muito perto do fogo.

Escolha um lugar morno e agradável.

Eu obedeci.

Dentro de alguns minutos, sob a ação do leve calor, a tartaruga pôs a cabeça de fora e caminhou tranqüilamente em direção a mim.

Fiquei muito satisfeito e meu pai tornou a se dirigir a mim, observando:

– Filho, as pessoas podem ser comparadas às tartarugas.

Ao lidar com elas procure nunca empregar a força.

0 calor de um coração generoso pode, às vezes, levá-las a fazer exatamente o que queremos, sem que se aborreçam conosco e até, pelo contrário, com satisfação e espontaneidade.

__________________________________________________________________________________

Exemplo, julgamento, lição de vida

AS ESTAÇÕES

3579599

 

Um homem tinha quatro filhos. Ele queria que seus filhos aprendessem a não julgar as coisas de modo apressado, por isso, ele mandou cada um viajar para observar um pessegueiro que estava plantado em um distante local.

O primeiro filho foi lá no Inverno, o segundo na Primavera, o terceiro no Verão e o quarto e mais jovem, no Outono.

Quando todos eles retornaram, ele os reuniu e pediu que cada um descrevesse o que tinham visto.

O primeiro filho disse que a árvore era feia, torta e retorcida.

O segundo filho disse que ela era recoberta de botões verdes e cheia de promessas.

O terceiro filho discordou. Disse que ela estava coberta de flores, que tinham um cheiro tão doce e eram tão bonitas, que ele arriscaria dizer que eram a coisa mais graciosa que ele tinha visto.

O último filho discordou de todos eles; ele disse que a árvore estava carregada e arqueada, cheia de frutas, vida e promessas…

O homem, então, explicou a seus filhos que todos eles estavam certos, porque eles haviam visto apenas uma estação da vida da árvore…

Ele falou que não se pode julgar uma árvore, ou uma pessoa, por apenas uma estação, e que a essência de quem eles são e o prazer, a alegria e o amor que vêm daquela vida, podem apenas ser medidos ao final, quando todas as estações estiverem completas.

Se você desistir quando for Inverno, você perderá a promessa da Primavera, a beleza do Verão, a expectativa do Outono.

Não permita que a dor de uma estação destrua a alegria de todas as outras. Não julgue a vida apenas por uma estação difícil.