Amor, Exemplo, Pai

LEILÃO DO FILHO

 

quadro filipe

Um homem muito rico e seu filho tinham grande paixão pelas artes. Tinham de tudo em sua coleção, desde Picasso até Michelangelo. Muito unidos, sentavam-se juntos para admirar as suas grandes obras.

Por uma desgraça do destino, seu filho foi para a guerra. Foi muito valente, mas morreu na batalha quando resgatava outro soldado. O pai recebeu a notícia e sofreu profundamente durante muitos anos. A morte de seu único filho o abalou de tal forma que ele perdeu o prazer pela vida.

Alguns meses depois alguém bateu à porta.

Era um jovem com um grande quadro bonito nas mãos. Ele foi logo dizendo ao pai:

– O senhor não me conhece, mas eu sou o soldado por quem seu filho deu a vida. Ele salvou muitas vidas e salvou a minha também. Quando estava me salvando, uma bala lhe atravessou o peito e ele morreu instantaneamente. Ele falava muito do senhor e contava o quanto o senhor amava as telas que tinha em sua casa.

O rapaz estendeu os braços, entregou uma tela e disse:

– Eu sei que não é muito, e eu também não sou um grande artista, mas sei que seu filho gostaria que recebesse esse quadro. O pai abriu a tela. Era um retrato de seu filho, pintado pelo jovem soldado. Ele olhou com profunda admiração a maneira na qual o soldado havia capturado a personalidade de seu filho na pintura. Ele agradeceu ao jovem e ofereceu-se para pagar pela obra.

– Não, senhor! Eu nunca poderei pagar o que seu filho fez por mim. Essa pintura é um presente.

O pai colocou o quadro à frente de suas grandes obras de arte. Cada vez que alguém visitava a sua casa ele mostrava com orgulho aquele quadro pintado com a imagem do seu filho. O homem morreu alguns meses mais tarde e foi anunciado um leilão de todas as suas obras de arte.

Muita gente importante chegou ao local no dia marcado. Havia muita expectativa para comprar verdadeiras obras de arte. Entre as peças valiosas, estava o retrato do filho. O leiloeiro bateu seu martelo para dar início ao leilão:

– Começaremos o leilão com o retrato “O FILHO”. Quem oferece o primeiro lance? Quanto oferecem por este quadro?

Um grande silêncio… Então, ouviu-se um grito do fundo da sala:

– Queremos ver as pinturas famosas: Van Gogh, Picasso!

O leiloeiro insistiu:

– Alguém oferece algo por essa pintura? R$100,00? R$200,00? Depois de muito o leiloeiro insistir, uma voz disse:

– Eu dou R$10,00 pela pintura. Era um velho jardineiro da casa. Sendo o homem muito pobre, esse era o único dinheiro que podia oferecer.

– Temos R$10,00! Quem dá R$20,00? – gritou o leiloeiro.

Ninguém se manifestou. Então, o leiloeiro bateu o martelo:

– Dou-lhe uma. Dou-lhe duas. Vendida por R$10,00!

E um homem ao fundo disse:

– Agora vamos começar o leilão com as peças valiosas!

O leiloeiro soltou seu martelo e disse:

– Sinto muito, damas e cavalheiros, mas o leilão chegou ao fim.

– Mas, e as pinturas? – perguntaram os interessados.

– Eu sinto muito – disse o leiloeiro –, quando me chamaram para fazer o leilão, havia um segredo estipulado no testamento do antigo dono. Somente a pintura “O FILHO” seria leiloada. Aquele que a comprasse herdaria absolutamente todas as posses deste homem, inclusive as suas famosas pinturas. O homem que comprou “O FILHO” fica com tudo.

 Reflexão: Deus entregou seu único e amado filho, para morrer por nós numa cruz há 2000 anos atrás. Assim, como o leiloeiro, a mensagem hoje é: “Quem ama o Filho tem tudo com o Pai, e herdará suas riquezas.” Deus não mente. Ele é perfeito. Sua palavra nos deixa os Ensinamentos e as promessas para quem o ama.

engano, ensino, Exemplo

DESAPEGO

DESAPEGO

Um cidadão fez voto de desapego e pobreza. Dispôs de todos os seus bens e propriedades, reservou para si apenas duas tangas, e saiu Índia afora em busca de todos os sábios, medindo na verdade o desapego de cada um. Levava apenas uma tanga no corpo e outra para troca, sempre necessário.
Estava convencido de não encontrar quem ganhasse de si em despojamento, quando soube de um velho guru, bem ao norte, aos pés do Himalaia. Tomando as direções, parte ao encontro do velho sábio.
Quando lá chegou, tristeza e decepção! Encontrou terras bem cuidadas, um palácio faustoso, muita riqueza, muita pompa. Indignado, procura pelo guru. Um velho servo lhe diz que ele está em uma ala dos magníficos jardins com seus discípulos, estudando desapego. Como era costume da casa Ter gentileza para com os hóspedes, o servo convida o andarilho para o banho, repouso e refeição, antes de se dirigir à presença do sábio.
Achando tudo muito estranho, o desapegado aceita a sugestão. Toma um bom banho, lava sua tanga usada, coloca-a para secar no quarto e sai em busca do guru. Completamente injuriado, queria contestar e desmascarar aquele que julgava um impostor, pois em sua concepção desapego não combinava com posses. Aproxima-se do grupo, que ouve embevecido as palavras do mestre e fica ruminando um ardil para atacar o guru, quando, correndo feito um doido, chega um dos serviçais gritando:
– Mestre, mestre, o palácio está pegando fogo, um incêndio tomou conta de tudo. O senhor está perdendo uma fortuna! O sábio, impassível, continua sua prédica. O desapegado viajante das duas tangas dá um salto e sai em desabalada carreira, gritando:
– Minha tanga, minha tanga, o fogo está destruindo minha tanga…

Exemplo, Livramento

O LEÃO E OS GATOS

Leao e gato

Um leão encontrou um grupo de gatos conversando. “Vou devora-los”, pensou.

Mas começou a sentir-se estranhamente calmo. E resolveu sentar-se com eles, para prestar atenção no que diziam.

– Meu bom Deus – disse um dos gatos, sem notar a presença do leão.

-Oramos a tarde inteira! Pedimos que chovessem ratos do céu!

– E, até agora, nada aconteceu! – disse outro.

– Será que o Senhor não existe?

O céu permaneceu mudo. E os gatos perderam a fé.

O leão levantou-se, e seguiu seu caminho, pensando:” veja como são as coisas. Eu ia matar estes animais, mas Deus me impediu. Mesmo assim, eles pararam de acreditar nas graças Divinas: estavam tão preocupados com o que estava faltando, que nem repararam na proteção que receberam.

Entendi… E você ?

Drama, Exemplo, mae

A FITA ROSA

FITA ROSA

Um homem atraente, de meia idade, entrou em um bar e se sentou. Antes de fazer o pedido não deixou de perceber que um grupo de homens mais jovens que bebiam em uma mesa perto da sua, riam dele.  Somente quando se lembrou da pequena fita rosa que levava na lapela de seu blazer foi que se deu conta que se tratava de uma gozação.

O homem não deu maior importância, mas os insistentes risos na mesa vizinha começaram a incomodá-lo. Olhou a um dos homens diretamente nos olhos, levou o dedo até a lapela e apontou a fita: “Isto?” Com este gesto todos os homens da mesa riram abertamente.

O homem ao qual dirigiu o olhar lhe disse: “Desculpe amigo, mas estavamos comentando como está bonito com esta fitinha rosa no blazer azul”.

Com toda calma, o homem fez um gesto para o gozador convidando-o a se aproximar e sentar com ele à sua mesa. Ainda que estivesse bastante incomodado o homem mais jovem se aproximou e sentou-se. O homem mais velho com uma voz muito calma lhe disse: – “Uso esta fita para chamar atenção sobre o câncer da mama”.

“Eu uso em honra à minha mãe”.
– ”Sinto muito, amigo, Ela morreu de câncer da mama? “.
– “Não. Ela está sadia e muito bem. Mas seus seios me alimentaram quando eu era um bebê e foram abrigo quando tive medo ou me senti só em minha infância. Estou muito agradecido aos seios de minha mãe e por sua saúde”.
–   “Entendo”, respondeu o outro,
não muito convencido.

“Também uso esta fita para honrar à minha mulher”, continuou dizendo o homem.
– ”E ela também está bem?”
– “Claro que sim. Seus seios foram fonte de amor…
Com eles alimentou a nossa bela filha de 23 anos. Estou muito grato pelos seios de minha mulher e por sua saúde”.

– ”Já sei. Suponho que também usa a fita para honrar a sua filha”.

“Não. É muito tarde  para isto. Minha filha morreu de câncer da mama  faz um mês. Ela pensou que era muito jovem para ter câncer, assim quando acidentalmente notou uma pequena protuberância, a ignorou. Ela pensou que, como não a incomodava, nem doía, não havia com que se preocupar”.

Comovido e envergonhado o estranho disse : ”Sinto muito, senhor.”
– “Portanto, também em memória de minha filha uso esta fitinha com muito orgulho. Isto me dá oportunidade de falar com os outros. Quando voltar para a sua casa fale com a sua esposa, suas filhas, sua mãe, suas irmãs, suas amigas. Tome…”, o homem buscou no bolso e entregou ao outro uma pequena fita rosa. Ele a pegou, olhou-a, lentamente levantou a cabeça e lhe disse:

– Poderia me ajudar a colocá-la?

Essa merece que você repasse… 

Bíblia, Exemplo, , lição de vida

Maravilhosa Graça

6779382g1

Antes de ouvir a melodia, leia:

Todo mundo, ou quase todo mundo já ouviu, pelo menos uma vez, a canção Amazing Grace (algo como Maravilhosa Graça), que é uma música tradicional britânica.
O que a maioria não sabe é que essa canção foi composta por um cidadão
britânico de nome John Newton, no século dezoito, depois de uma conversão religiosa.
Ele havia começado uma carreira na Marinha Real, mas abandonou aquilo para tornar-se traficante de escravos. Conta-se que, em uma de suas viagens, seu navio foi atingido em mar alto por uma tempestade.
Newton, então, deu-se conta de que só a Graça Divina o salvaria e orou fervorosamente a Deus.
A graça aconteceu: ele conseguiu escapar são e salvo com o seu navio. Movido por aquilo, John começou a ler o clássico cristão “A Imitação de Cristo”, de Thomas Kempis, e ainda tocado pela Luz que o havia despertado interiormente, mudou a sua vida, libertou todos os escravos que venderia e passou a ser um lutador anti-escravagista.
Compôs, então, a canção Amazing Grace , como agradecimento e um testemunho do que havia se passado com ele, em seu encontro com Deus.
É esta canção que você ouve (e vê) no vídeo anexo, que mostra uma apresentação da mesma pelos meninos do incrível grupo vocal Il Divo , interpretando essa canção emocionante em pleno Coliseu, em Roma, onde, no passado, tantas pessoas perseguidas, maltratadas e escravizadas (inclusive cristãos), encontraram um fim trágico e cruel.

Conhecendo a história, podemos apreciar ainda mais Amazing Grace e a sua interpretação única dos talentosos Il Divo …

Click aqui para assistir.

 

Educação, ensino, Exemplo, Grito, Sabedoria

Por que as pessoas gritam?

Um dia, um pensador fez a seguinte pergunta a seus discípulos: Por que as pessoas gritam quando estão aborrecidas? – Gritamos porque perdemos a calma, disse um deles. – Mas, por que gritar quando a outra pessoa está ao seu lado? Questionou novamente o pensador. – Bem, gritamos porque desejamos que a outra pessoa nos ouça, retrucou outro discípulo.
E o mestre volta a perguntar: – Então não é possível falar-lhe em voz baixa? Várias outras respostas surgiram, mas nenhuma convenceu o pensador. Então ele esclareceu: – Vocês sabem porque se grita com uma pessoa quando se está aborrecida?
O fato é que, quando duas pessoas estão aborrecidas, seus corações se afastam muito. Para cobrir esta distância precisam gritar para poderem escutar-se mutuamente. Quanto mais aborrecidas estiverem, mais forte terão que gritar para ouvir um ao outro, através da grande distância.
Por outro lado, o que sucede quando duas pessoas estão enamoradas? Elas não gritam. Falam suavemente. E por quê? Porque seus corações estão muito perto. A distância entre elas é pequena. Às vezes estão tão próximos de seus corações, que nem falam, somente sussurram. E quando o amor é mais intenso, não necessitam sequer sussurrar, apenas se olham, e basta. Seus corações se entendem.
É isso que acontece quando duas pessoas que se amam estão próximas. Por fim, o pensador conclui, dizendo: “Quando vocês discutirem, não deixem que seus corações se afastem, não digam palavras que os distanciem mais, pois chegará um dia em que a distância será tanta que não mais encontrarão o caminho de volta.”

Pense nisso e seja feliz!

Conto, ensino, Exemplo, lição de vida

APRENDENDO LIÇÕES COM UM “BON-SAI”…

(Texto de: Djanira Luz)
acer-palmatum-seigen
 
 

Sou fascinada por bonsai. Desde o modo como a pequena árvore é cultivada e cuidada até o momento em que, fantasticamente, vejo o fruto perfeito dela brotar.

A palavra bon-sai de origem japonesa quer dizer “árvore em bandeja”. O nome é japonês, porém, foram os chineses que iniciaram o cultivo de árvores e arbustos em vasos de cerâmica. É por isso que muitos associam a técnica do bon-sai aos japoneses. Tipo aquele ditado “papagaio come milho, periquito leva fama”, pois é!

Apreciando um bon-sai um dia desses fiquei como aquela personagem Américo Pisca-Pisca do texto “O reformador da Natureza”. Américo tinha a mania de querer mudar tudo o que via. Um dia questionou o por quê de jabuticabas darem numa árvore grande quando a melancia crescia de uma vegetação rasteira.

E eu pensei tipo o Américo, observando um bonsai quão bom seria se pudéssemos fazer com nossos defeitos, nossas falhas como fazem com os bon-sais desde pequenos… Já imaginou se nos fosse dado o direito de podar desde a tenra idade nossos erros, nunca erraríamos. Se podássemos nossos egoísmos, nossas invejas e preconceitos velados, nossos sentimentos mesquinhos, nossos atos falhos e tudo mais que subtrai-nos a boa índole, como seria bom, imaginei…

Mas, voltando ao Américo Pisca-Pisca questionador, logo ele mudou de ideia quando descansava à sombra da jabuticabeira e de repente foi despertado com uma pequena jabuticaba em sua cabeça. Assustado, porém, feliz e conformado, pensou:

“- Ainda bem que é jabuticaba, imagina se fosse a melancia como desejei!”

E eu, como o bom reformador Américo Pisca-Pisca, foi preciso cair uma visão-jabuticaba na minha mente para entender que a reforma que imaginei não seria tão boa assim…

Se fosse dado o direito de podar-nos os defeitos quando pequenos, ficaríamos para sempre baixos como um bonsai, nunca poderíamos crescer! Sim! Só quando sofremos, quando erramos, quando falhamos, quando somos acometidos de pensamentos e atos mesquinhos é que temos a capacidade de crescer com nossas prevaricações!

Não! Deixa tudo como está. Assim está perfeito! Quantas belezas podemos extrair do imperfeito, quanto ensinamento, tanto aprendizado… Deixa assim como está…

Sabedoria também é entender que por mais absurdas que possamos achar certas coisas, elas são do jeito e devem permanecer no lugar exato que foi colocado.

Para tudo tem um propósito neste mundo, basta somente termos a capacidade de olhar mais uma vez para obtermos a opinião acertada.

Hoje já penso que o meu mundo seria muito enfadonho sem as minhas chatices. Deixa assim como está… Deixa assim…

Então, diga-me você… Vai querer crescer aperfeiçoando com suas falhas ou vai viver como uma árvore em bandeja, podada? Pense bem, viu?

Exemplo, Mensagem

PEIXE FRESCO

Os japoneses sempre adoraram peixe fresco. Porém as águas perto do Japão não produzem muitos peixes há décadas. Assim, para alimentar a sua população, os japoneses aumentaram o tamanho dos navios pesqueiros e começaram a pescar mais longe do que nunca. Quanto mais longe os pescadores iam, mais tempo levava para o peixe chegar. Se a viagem de volta levasse mais do que alguns dias, o peixe já não era mais fresco.
E os japoneses não gostaram do gosto destes peixes. Para resolver este problema as empresas de pesca instalaram congeladores em seus barcos. Eles pescavam e congelavam os peixes em alto-mar. Os congeladores permitiram que os pesqueiros fossem mais longe e ficassem em alto mar por muito mais tempo. Entretanto, os japoneses conseguiram notar a diferença entre peixe fresco e peixe congelado, e é claro, eles não gostaram do peixe congelado.
Deste modo, o peixe congelado tornou os preços mais baixos. Então as empresas de pesca instalaram tanques de peixe nos navios pesqueiros. Eles podiam pescar e enfiar esses peixes nos tanques, “como sardinhas”. Depois de certo tempo, pela falta de espaço, eles paravam de se debater e não se moviam mais. Eles chegavam cansados e abatidos, porém, vivos. Infelizmente, os japoneses ainda podiam notar a diferença do gosto.

Por não se mexerem por dias, os peixes perdiam o gosto de frescor. Os japoneses preferiam o gosto de peixe fresco e não o gosto de peixe apático. Então, como os japoneses resolveram este problema? Como eles conseguiram trazer ao Japão peixes com gosto de puro frescor? Se você estivesse dando consultoria para a empresa de pesca, o que você recomendaria? Quando as pessoas atingem seus objetivos tais como, quando encontram um namorado maravilhoso, começam com sucesso numa empresa nova, pagam todas suas dívidas ou o que quer que seja, elas podem perder as suas paixões. Elas podem começar a pensar que não precisam mais trabalhar tanto, quantas não são as pessoas que buscam a Deus quando estão com problemas, mas assim que resolvem, então relaxam. Elas passam pelo mesmo problema que os ganhadores de loteria que gastam todo seu dinheiro, o mesmo problema de herdeiros que nunca crescem e de donas de casa, entediadas, que ficam dependentes de remédios de tarja preta. Para esses problemas, inclusive no caso dos peixes dos japoneses, a solução é bem simples…

L. Ron Hubbard, observou no começo dos anos 50. “O homem progride, estranhamente, somente perante a um ambiente desafiador”. Quanto mais inteligente, persistente e competitivo você é, mais você gosta de um bom problema. Se seus desafios estão de um tamanho correto e você consegue, passo a passo, conquistar esses desafios, você fica muito feliz. Você pensa em seus desafios e se sente com mais energia. Você fica excitado em tentar novas soluções. Você se diverte. Você fica vivo!

Para conservar o gosto de peixe fresco, as empresas de pesca japonesas ainda colocam os peixes dentro de tanques. Mas, eles também adicionam um pequeno tubarão em cada tanque. O tubarão come alguns peixes, mas a maioria dos peixes chega “muito vivo”. Os peixes são desafiados. Portanto, ao invés de evitar desafios, pule dentro deles. Massacre-os. Curta o jogo. Se seus desafios são muito grandes e numerosos, não desista. Se reorganize! Busque mais determinação, mais conhecimento e mais ajuda. Se você alcançou seus objetivos, coloque objetivos maiores. Uma vez que suas necessidades pessoais ou familiares forem atingidas, vá de encontro aos objetivos do seu grupo, da sociedade e até mesmo da humanidade. Crie seu sucesso pessoal e não se acomode nele. Se aposente, mas invente. Você tem recursos, habilidades e destrezas para fazer diferença.

“Então, ponha um tubarão no seu tanque e veja 

quão longe você realmente pode chegar”.

Educação, ensino, Exemplo, felicidade, feliz, Jesus, lição de vida, Vida

FILHOS SÃO COMO NAVIOS

Ao olhar um navio no porto, imaginamos que ele esteja em seu lugar mais seguro, protegido por uma forte âncora.
Mal sabemos que ali está em preparação, abastecimento e provisão para se lançar ao mar, ao destino para o qual foi criado, indo ao encontro das próprias aventuras e riscos.
Dependendo do que a força da natureza lhes reserva, poderá ter que desviar da rota, traçar outros caminhos ou procurar outros portos.
Certamente retornará fortalecido pelo aprendizado adquirido, mais enriquecido pelas diferentes culturas percorridas. E haverá muita gente no porto feliz à sua espera
Assim são os FILHOS. Estes têm nos PAIS o seu porto seguro até que se tornem independentes.
Por mais segurança, sentimentos de preservação e de manutenção que possam sentir junto aos seus pais, eles nasceram para singrar os mares da vida, correr seus próprios riscos e viver suas próprias aventuras.
Certo que levarão consigo os exemplos dos pais, o que eles aprenderam e os conhecimentos da escola, mas a principal provisão, além das materiais, estará no interior de cada um:
A CAPACIDADE DE SER FELIZ.
 
Sabemos, no entanto, que não existe felicidade pronta, algo que se guarda num esconderijo para ser doada, transmitida a alguém.
O lugar mais seguro que o navio pode estar é o porto. Mas ele não foi feito para permanecer ali.
Os pais também pensam que sejam o porto seguro dos filhos, mas não podem se esquecer do dever de prepará-los para navegar mar a dentro e encontrar o seu próprio lugar, onde se sintam seguros, certos de que deverão ser, em outro tempo, este porto para outros seres.
Ninguém pode traçar o destino dos filhos, mas deve estar consciente de que na bagagem devem levar VALORES herdados como:
HUMILDADE, HUMANIDADE, HONESTIDADE, DISCIPLINA, GRATIDÃO E GENEROSIDADE.
 
Filhos nascem dos pais, mas devem se tornar CIDADÃOS DO MUNDO. Os pais podem querer o sorriso dos filhos, mas não podem sorrir por eles. Podem desejar e contribuir para a felicidade dos filhos, mas não podem ser felizes por eles.
 
A FELICIDADE CONSISTE EM TER UM IDEAL A BUSCAR E TER A CERTEZA DE ESTAR DANDO PASSOS FIRMES NO CAMINHO DA BUSCA.
 
Os pais não devem seguir os passos dos filhos e nem devem estes descansar no que os pais conquistaram. Devem os filhos seguir de onde os pais chegaram, de seu porto, e, como os navios, partirem para as próprias conquistas e aventuras
Mas, para isso, precisam ser preparados e amados, na certeza de que quem ama educa.
 
“COMO É DIFÍCIL SOLTAR AS AMARRAS”
 
 
 
– Meu filho que você conquiste muitas vitórias, seja feliz e sempre VIVAS EM CRISTO nosso Porto seguro
Exemplo, Sabedoria

ESPOSA SURDA

– Qual o problema de sua esposa?

– Surdez. Não ouve quase nada.

– Então o senhor vai fazer o seguinte: antes de trazê-la, faça um teste para facilitar o diagnóstico. Sem ela olhar, o senhor, a certa distância, fala em tom normal, até que perceba a que distância ela consegue ouvi-lo. E quando vier – diz o médico – dirá a que distância o senhor estava quando ela o ouviu. Está certo?

– Certo, combinado então.

À noite, quando a mulher preparava o jantar, o marido decidiu fazer o teste.

Mediu a distância que estava em relação à mulher. E pensou: “Estou a 15 metros de distância. Vai ser agora”.

– Maria, o que temos para jantar? – não ouviu nada. Então aproximou-se a 10 metros.

– Maria, o que temos para jantar? – nada ainda. Então, aproximou-se mais 5 metros.

– Maria, o que temos para jantar? – Silêncio ainda.

Por fim, encosta-se às costas da mulher e volta a perguntar:

– Maria! O que temos para jantar?

– Frango, droga ….. É a quarta vez que te respondo!

Como percebem, muitas vezes achamos que o problema ocorre com os outros, quando na realidade o problema é nosso, só nosso… Achamos que Deus não ouve nossas orações mas quando nos aproximamos Dele percebemos que o erro sempre esteve em nós por não ouvirmos o que Ele diz.

E você a que distancia está de Deus ?