Conto, Política, PREOCUPAÇÃO

Mas por favor…

maxresdefault.jpg

Gostei deste CORDEL!
(autor desconhecido)

Meu amigo, minha amiga
Meu prezado cidadão
Vou mandar o meu recado
Preste muita atenção
Não precisa tanta briga
Por causa de eleição.

Neste tempo eleitoral
Há quem perca a razão
Há quem brigue com amigos
Faz intriga e confusão
Eleição é passageira
Amizade não é não.

Cada um tem liberdade
Cada um tem o direito
De votar onde quiser
E merece o respeito
Cidadão que é cidadão
Tem que agir é desse jeito.

Tenho minha posição
E já sei onde votar
Nem por isso com os outros
Necessário é brigar
Quem não vota como eu voto
Só precisa respeitar.

Se você é eleitor
Consciente e tem noção
Compartilhe essa ideia
Com toda população
Não discuta com ninguém
Por causa de eleição.

E em 28 de outubro
Com cabeça ou coração
Vote em quem quiser
Mas, por favor.!

#13Não!

ensino

ESCOLHA OS MELHORES

Bandeira 5 estilizada

Veja o ponto de vista de Marcos Pereira

Assistia um dia desses ao filme Getúlio, que conta a história do ex-presidente e ditador Getúlio Dornelles Vargas. Embora eu esteja lendo sua extensa biografia, uma frase proferida pelo ator Tony Ramos, que interpreta Vargas, me chamou atenção: “Eu estou há tantos anos no poder. Quase nunca me pediram algo para o País. Sempre me pediram algo para alguém, sempre.”

Getúlio Vargas governou o Brasil em dois períodos: de 1930 a 1945 (15 anos) e de 1951 a 1954, quando então cometeu suicídio. Embora já tenham se passado 60 anos desde sua morte, a frase acima continua atual e verdadeira.

Há uma cultura perniciosa no Brasil que costuma caracterizar o homem público como aquele que deve solucionar problemas individuais e não coletivos. Para muitos, infelizmente, o bom político é aquele que custeia o jogo de camisas do time da várzea, que financia o churrasco ou que arranja um emprego no cabide público.

A falta de entendimento de boa parte da população sobre a função de cada agente público colabora para alargar ainda mais esse abismo. Uma sociedade consciente das atribuições de um vereador, de um deputado ou mesmo do presidente da República tem mais controle do poder do que uma massa amorfa de cidadãos alienados.

Os programas eleitorais na televisão estão falando muito em “mudança” e da proposta de uma “nova política”, porém isso só será possível de verdade quando o cidadão entender sua importância na democracia e no momento de escolher seus representantes. O desafio dos partidos políticos é apresentar alternativas viáveis para essa mudança.

Ao escolher o seu deputado federal, por exemplo, pense que estará votando naquele que vai representar as ideias que você também compartilha. O voto de protesto ou em branco/nulo também não contribui nada para a melhora da nossa política. Essa história de “pior que está não fica” não existe. Tudo pode piorar. Mas pode melhorar também.

O Brasil precisa de transformações profundas na economia, nos transportes, na saúde e na educação. Só vamos conseguir fazer o que precisa ser feito se todos estiverem realmente comprometidos com a coletividade. Gaste alguns minutos pesquisando a vida dos candidatos. Eleja os melhores e participe ativamente do futuro da nossa nação.

Marcos Pereira é advogado e presidente nacional do PRB