Conto

A lei do caminhão de lixo…

Um dia peguei um táxi para o aeroporto.
Estávamos na faixa certa quando um carro preto saiu de repente
do estacionamento direto na nossa frente.
O taxista pisou no freio bruscamente, deslizou e escapou de bater em
outro carro, foi mesmo por um triz!
O motorista desse outro carro sacudiu a cabeça e começou a gritar para
nós nervosamente.
Mas o taxista apenas sorriu e acenou para o cara, fazendo um sinal de
positivo. E ele o fez de maneira bastante amigável.
Indignado lhe perguntei: ‘Porque você fez isto? Este cara quase
arruína o seu carro, a nós e quase nos manda para o hospital?!?!’
Foi quando o motorista do táxi me ensinou o que eu agora chamo de “A
Lei do Caminhão de Lixo.”
Ele explicou que muitas pessoas são como caminhões de lixo.
Andam por aí carregadas de lixo, cheias de frustrações, de raiva,
traumas e desapontamento.
À medida que suas pilhas de lixo crescem, elas precisam de um lugar
para descarregar e às vezes descarregam sobre a gente.
Nunca tome isso como pessoal. Isto não é problema seu! É dele!
Apenas sorria, acene, deseje-lhes sempre o bem, e vá em frente.
Não pegue o lixo de tais pessoas e nem o espalhe sobre outras pessoas
no trabalho, EM CASA, ou nas ruas.
Fique tranquilo… respire E DEIXE O LIXEIRO PASSAR.
O princípio disso é que pessoas felizes não deixam os caminhões de
lixo estragar o seu dia.
A vida é muito curta, não leve lixo com você!
Limpe os sentimentos ruins, aborrecimentos do trabalho, picuinhas
pessoais, ódio e frustrações.
Ame as pessoas que te tratam bem. E trate bem as que não o fazem.
A vida é dez por cento do que você faz dela e noventa por cento da
maneira como você a recebe!
lembre-se:

LIVRE-SE DOS LIXOS!

David J. Pollay

PREOCUPAÇÃO

A MORTE DO IPÊ

ipe roxo

A árvore que o sábio vê não é a mesma árvore que o tolo vê. Sei disso por experiência própria. Quando vejo os ipês floridos, sinto-me como Moisés diante da sarça ardente: ali está uma epifania do sagrado. Mas uma mulher que vivia perto da minha casa decretou a morte de um ipê que florescia à frente de sua casa porque ele sujava o chão, dava muito trabalho para a sua vassoura. Seus olhos não viam a beleza. Só viam o lixo.

Assim são as pessoas tolas quando vêem em seus semelhantes apenas defeitos, e cegos as virtudes. Fico com as palavras de Albert Einstein:

“Somos todos geniais. Mas se você julgar um peixe por sua capacidade de subir em árvore ele passará sua vida inteira acreditando ser estúpido.”