Amor, Comunhão, Vida

Um inocente morreu de braços abertos…

Quando tudo estiver passado não vamos esquecer o que passamos juntos o que sofremos e o que choramos
porque uma coisa que mais senti nesse isolamento foi a falta de um abraço, passamos tão rápido por esse mundo
e não damos conta do que de mais temos de valor, as pessoas, o amor de nossas famílias, o amor de nossos amigos
no abraço expressamos sem palavras o quanto me importo com você, o quanto você é importante para mim.
Portanto iremos sair mais fortes e mais sensíveis com a dor do próximo, lembre-se que um dia um inocente
morreu de braços abertos para que eu e você possamos viver sem o peso do pecado. O segundo mandamento
“amar o próximo como a ti mesmo” JESUS TE AMA.

Conto, Drama, reflexão, SOFRIMENTO, Vida

A condenação de Cornélio Mansur

Era uma vez um rapaz que se chamava Cornélio Mansur, de origem muito humilde, mas rico em honestidade e na atenção que dedicava aos amigos e à esposa. Não havia quem não gostasse dele. Fazia amizade com facilidade e estava sempre disposto a ajudar. Não era ganancioso e nem orgulhoso. Era o que chamariamos de “boa praça”, no mais amplo sentidoda palavra.

por outro lado, sua esposa Berrnadette (com dois erres e dois tês) cinco anos mais velha, era completamente diferente. Rabugenta e vaidosa, agia como se fosse a dona da razão; infernizava a vida do rapaz e estava sempre de mau humor. Berrnadette (com dois erres e dois tês) era baixinha, atarracada, combraços de marinheiro e uma vasta cabeleira negra. Não havia uma vez que fosse à feira que não arrumasse confusão. E não era só na feira.

Os vizinhos, tres quarterões acima e tres quarteirões abaixo, já conheciam a sua fama.

Na hora do pão das tres, Berrnadette (com dois erres e dois tês) entrava na padaria como se fosse a dona. Nariz empinado e estalando os tamancos no chão, furava a fila do caixa. Aí, com o maior descaramento, apertava cada um dos pães no cesto e depois dizia: “Embrulha esse, que estou com pressa!”

O coitado do Cornélio Mansur vivia envergonhado com a esposa . E não só por isso, mas também pela roupa mal passada que usava, pois Berrnadette (com dois erres e dois tês) nunca quis saber do serviço de casa. Depois de um dia cansativo, Cornélio Mansur ainda tinha que enfrentar o fogão, o tanque, o ferro e a vassoura.

Enquanto ele fazia jornada dupla, Berrnadette (com dois erres e dois tês) se esparramava no sofá, pra assistir novela, ai de Cornélio Mansur se quisesse assistir outra coisa. Era um vexame quando o moço se detinha por algum tempo conversando na portaria do prédio e vinha aquele berro do terceiro andar: “Cornéliôoo, sóóóbe!!”, Era ela, Berrnadette (com dois erres e dois tês) com a cara cheia de pasta para espinhas e uma touca plástica cobrindo os rolinhos engalfinhados nos cabelos. E lá ia cabisbaixo, a obedecer ao comando da esposa.

“Que rapaz espetacular!”, pensavam os vizinhos e parentes. “É tão humilhado pela mulher e ainda a tratar como uma rainha”. Mas como tudo na vida tem o seu limite, um dia a paciência do rapaz acabou. Num daqueles sábados abafados do Rio de janeiro, Cornélio Mansur, que por onze anos trabalhava como balconista da mesma loja de tecidos na Rua da Alfândega, pediu ao patrão para sair mas cedo.

Era aniversáriio da Berrnadette (com dois erres e dois tês) e ele queria fazer uma surpresa. Tinha visto uma peça de carne seca na feira, do jeito que Berrnadette (com dois erres e dois tês) gostava e queria comprá-la antes que outro a levasse. Comprou também uma abóbora e uma panela de pressão. Iria preparar o prato predileto da Berrnadette (com dois erres e dois tês): Carne seca com abóbora.

Não foi fácil carregar aquilo tudo no 984 Castelo-Méier, que andava sempre superlotado. Quando chegou em casa estava esgotado mas feliz. Abriu a porta e, para sua decepção, encontrou Berrnadette (com dois erres e dois tês) que não o esperava tão cedo, comemorando o aniversário nos braços do Tião Bastião, mecânico da oficina, que nem sequer teve a consideração de tirar o macacão cheio de graxa para deitar em sua cama.

Cornélio mansur ficou bravo e, num ataque de fúria, tascou a panela de pressão na cabeça da mulher, que caiu durona no chão.

no dia do julgamento, o juiz não levou nem duas horas. Eram tantas as testemunhas a favor de Cornélio Mansur que ele entendeu o crime como passional e absorveu o réu. Agora livre, solteiro e sem Berrnadette (com dois erres e dois tês) para lhe assaltar o bolso, Cornélio mansur vivia uma prosperidade que jamais tivera.

Mudou-se para um apartamento menor, mas de frente para a praia de Botafogo. Vendeu alguns móveis e comprou um carro. Ganhou uma promoção no emprego e passou a gerente. Prestações em dia, poupança crescendo; Cornélio mansur era o retrato da felicidade. Até… pois é tem um até que o destino lhe armou outra arapuca.

Num dia de Finados levado pela saudade,, foi colocar flores no túmulo da falecida no Cemitério do Caju. Quem encontrou? Quem?… Quem?… Cleonnette (com dois enes e dois tês) a irmã mais velha de Berrnadette (com dois erres e dois tês) Já não se viam há longo tempo. Conversaram, choramingaram. O rapaz mais uma vez pediu perdão pelo ocorrido e ofereceu-lhe carona.

A carência os aproximou e algum tempo depois o inevitável aconteceu: casaram-se! Lá foi o infeliz para mais uma furada, enganado pelo próprio coração.

Para encurta a história, a Cleonnette (com dois enes e dois tês)  era pior que a Berrnadette (com dois erres e dois tês), e com um agravante: três anos mais velha! Dois anos de inião, dois anos de infelicidade. Até que um dia, durante uma discurssão acalorada, a mulher saca de uma arma e grita:

-Tu não me matar como fez com minha irmã. Primeiro vai tu.

Mandou bala no Cornélio Mansur. O rapaz pulou para baixo do sofá, enquanto uma das balas ricocheteava na parede e voltava incandescente para o peito da Cleonnette (com dois enes e dois tês), ao cair no chão, o revolver  escorregou de sua mão e foi para junto do rapaz, que o apanhou e se pos de pé. Nesse momento os vizinhos invadiram o apartamento e gritaram:

– Assassino, assassino!! Matou a mulher!!

por ser reincidente, o caso foi parar no mesmo juiz que o julgara da primeira vez. Novamente o juiz não levou nem duas horas para proferir a sentença:

– O réu é culpado e condenado a cumprir pena de reclusão pelo período  de 70 anos e 7 dias

– Senhor juiz – apelou Cornélio Mansur – eu não matei. Ela morreu com o p´roprio disparo!

– Pelo incidente que causou a morte de Cleonnette (com dois enes e dois tês) – explicou o juiz – o senhor cumprirá os sete dias da setença. Os outros 70 anossão por ter casado de novo e, pior com a mulher errada!

E assim bateu o martelo e deu o caso por encerrado. A história é engraçada, mas o assunto é sério e serve de alerta para alguns jovens que desejam se casar. O casamento é um passo crucial na vida. Cuidado com as Berrnadette (com dois erres e dois tês) e Cleonnette (com dois enes e dois tês) (simbolicamente, seja o homem ou mulher) da vida. Caso contrário você  vai fazer companhia a Cornélio Mansur. Talvez não no presídio, mas preso às grades de um casamento infeliz.

Sabedoria, Vida

DE PASSAGEM

de passagem 2

Um viajante chegou a uma humilde cabana, onde se dirigiu pedindo água e pousada. Quando chegou foi recebido por um monge que lhe ofereceu acolhimento. Ao reparar na simplicidade da casa e sobretudo na ausência de mobília, curioso indagou:
– Onde estão os teus móveis?
– Onde estão os teus? – devolveu o monge.
– Estou aqui só de passagem – respondeu o andarilho
– Eu também…

 

ensino, Orientação, Vida

PRIORIDADES NA VIDA

vaso_cone

 

Um mestre foi questionado por seu discípulo sobre a real importância das coisas. Ao invés de responder-lhe a pergunta, pediu ao discípulo que pegasse um vaso de boca larga e colocasse algumas pedras grandes dentro dele.

Assim feito, o mestre perguntou ao discípulo:

– O vaso está cheio?

– Sim – respondeu o discípulo.

Então, o mestre pediu ao discípulo que colocasse um monte de pedregulhos dentro do vaso.

– E agora, está cheio?

– Sim.

Novamente o mestre pediu ao discípulo que colocasse areia dentro do vaso.

– E agora, está cheio?

– Sim.

Então, o mestre pediu ao discípulo que colocasse água dentro do vaso.

Nesse ponto o discípulo prontamente disse:

– Entendi mestre. A real importância das coisas está na forma como as armazenamos.

O mestre respondeu:

– Não. O vaso só pode ser cheio desta forma porque as grandes coisas foram colocadas primeiro, depois as menores, e assim por diante. Assim também é a vida. Priorize sua vida com as coisas que realmente são grandes e importantes, como a sua família, seus amigos e seu desenvolvimento pessoal e profissional; depois priorize as menores. Se você tivesse começado a encher o vaso com pedregulhos, as pedras grandes jamais caberiam nele. Assim também, se você se ocupar apenas com as coisas pequenas, as grandes não terão espaço.

Oração, Vida

RAÍZES PROFUNDAS

screenshot

Tempos atrás, eu era vizinho de um médico, cujo “hobby” era plantar árvores no enorme quintal de sua casa. Às vezes, observava da minha janela o seu esforço para plantar árvores e mais árvores, todos os dias. O que mais chamava a atenção, entretanto, era o fato de que ele jamais regava as mudas que plantava. Passei a notar, depois de algum tempo, que suas árvores estavam demorando muito para crescer. Um certo dia, resolvi então aproximar-me do médico e perguntei se ele não tinha receio de que as árvores não crescessem, pois percebia que ele nunca as regava.

Foi quando, com um ar orgulhoso, ele me descreveu sua fantástica teoria. Disse-me que, se regasse suas plantas, as raízes se acomodariam na superfície e ficariam sempre esperando pela água mais fácil, vinda de cima. Como ele não as regava, as árvores demorariam mais para crescer, mas suas raízes tenderiam a migrar para o fundo, em busca da água e das várias fontes nutrientes encontradas nas camadas mais inferiores do solo. Assim, segundo ele, as árvores teriam raízes profundas e seriam mais resistentes às intempéries. Disse-me ainda, que freqüentemente dava uma palmadinha nas suas árvores, com um jornal enrolado, e que fazia isso para que se mantivessem sempre acordadas e atentas. Essa foi a única conversa que tive com aquele meu vizinho.

Logo depois, fui morar em outro país, e nunca mais o encontrei. Passados vários anos, retornei do exterior e fui dar uma olhada na minha antiga residência. Ao aproximar-me, notei um bosque que não havia antes, quando percebi que o médico, meu antigo vizinho, havia realizado seu sonho! O curioso é que aquele era um dia de um vento muito forte e gelado, em que as árvores da rua estavam arqueadas, como que não resistindo ao rigor do inverno. Entretanto, ao aproximar-me do quintal do médico, notei como estava sólidas as suas árvores: praticamente não se moviam, resistindo implacavelmente àquela ventania toda. Que efeito curioso, pensei eu… As adversidades pela qual aquelas árvores tinham passado, levando palmadelas e tendo sido privadas de água, pareciam tê-las beneficiado de um modo que o conforto e o tratamento mais fácil jamais conseguiriam.

 

Todas as noites, antes de ir me deitar, dou sempre uma olhada em meus dois filhos. Debruço-me sobre suas camas e observo como têm crescido. Freqüentemente, oro por eles. Na maioria das vezes, peço para que suas vidas sejam fáceis: “Meu Deus, livre meus dois meninos de todas as dificuldades e agressões desse mundo”… Tenho pensado, entretanto, que é hora de alterar minhas orações. Essa mudança tem a ver com o fato de que é inevitável que os ventos gelados e fortes nos atinjam. Sei que meus filhos encontrarão inúmeros problemas e que, portanto, minhas orações para que as dificuldades não ocorram, têm sido ingênuas demais. Sempre haverá uma tempestade, ocorrendo em algum lugar. Portanto, pretendo mudar minhas orações. Farei isso porque, quer nós queiramos ou não, a vida é muito dura. Ao contrário do que tenho feito, passarei a orar para que meus filhos cresçam com raízes profundas, de tal forma que possam retirar energia das melhores fontes, das mais divinas, que se encontram nos locais mais remotos.   

Oramos demais para termos facilidades, mas na verdade pedidos desse tipo são raramente atendidos. O que precisamos fazer é pedir para que consigamos desenvolver raízes fortes e profundas, de tal modo que quando as tempestades chegarem e os ventos gelados soprarem, resistiremos bravamente, ao invés de sermos simplesmente varridos para longe.”

PREOCUPAÇÃO, Vida

NÃO SE ESQUEÇA DO PRINCIPAL

caverna

Conta a lenda que certa mulher pobre com uma criança no colo, passando diante de uma caverna escutou uma voz misteriosa que lá dentro lhe dizia: “Entre e apanhe tudo o que você desejar, mas não se esqueça do principal”. Lembre-se, porém, de uma coisa: Depois que você sair, a porta se fechará para sempre. Portanto, aproveite a oportunidade, mas não se esqueça do principal….” A mulher entrou na caverna e encontrou muitas riquezas. Fascinada pelo ouro e pelas jóias, pôs a criança no chão e começou a juntar, ansiosamente, tudo o que podia no seu avental. A voz misteriosa falou novamente: “Você só tem oito minutos.” Esgotados os oito minutos, a mulher carregada de ouro e pedras preciosas, correu para fora da caverna e a porta se fechou… Lembrou-se, então, que criança ficara lá e a porta estava fechada para sempre!!! A riqueza durou pouco e o desespero, sempre. O mesmo acontece, as vezes, conosco. Temos uns oitenta anos para viver, neste mundo, e uma voz sempre nos adverte: “Não se esqueça do principal!” E o principal são os valores espirituais, a oração, a vigilância, a família, os amigos, a vida!!! Mas a ganância, a riqueza, os prazeres materiais os fascinam tanto que o principal vai ficando sempre de lado… Assim, esgotamos o nosso tempo aqui, e deixamos de lado o essencial: “Os tesouros da alma!” Que jamais nos esqueçamos que a vida, neste mundo, passa rápido e que a morte chega de inesperado. E quando a porta desta vida se fechar para nós, de nada valerá as lamentações. Portanto, que jamais esqueçamos do principal!!!

Jesus, Vida

ARRUME SUAS GAVETAS

gavetas_organizadas

Uma vez li alguma coisa a respeito de uma garota que pedia para a sua avó a solução de um problema grave. A avó disse: “suba, arrume suas gavetas e após fazer isso você terá a solução”.

Experimentei perguntar para as pessoas mais velhas se realmente existe uma conexão e perguntei certa vez para a minha avó o que tinha a ver a gaveta com os problemas e ela muito sabiamente me falou que a gaveta desarrumada é o espelho da vida, então toda vez que você está com alguma coisa bagunçada, alguma área de sua vida manifesta bagunça. Toda vez que você está com alguma coisa desorganizada, essa desorganização se reflete na sua vida.

Lembre: você é um reflexo de Deus, um reflexo do universo. Você tem um mundo dentro de si. Sua casa é um reflexo de seus estados emocionais. Se você tem dentro de si reflexo do mundo, quando está desorganizado interiormente, manifesta isto exteriormente.

Quando essa manifestação exterior veio antes, você pode reorganizar o seu mundo interno mostrando simbolicamente que está arrumando externamente.

A coisa funciona assim: o que está dentro está fora. O que está em cima está embaixo. O que está de um lado está de outro. Então se você lembrar sempre que pode influenciar o interior com o exterior e vice-versa, você tem a chave para a organização total.

No momento em que você limpa a sua gaveta e joga fora aquilo que não presta, está reprogramando simbolicamente o seu interior. É uma das melhores chaves para conseguir serenidade e respostas para problemas muito difíceis. Aproveite este começo de ano, e arrume suas gavetas. Com certeza vai ajudar você a encontrar solução para muitos de seus problemas.

Tá difícil? tem alguém batendo a porta para te ajudar:

 “Eis que estou à porta e bato; se alguém ouvir a minha voz e abrir a porta, entrarei em sua casa e cearei com ele, e ele, comigo.” ( Apocalipse 3.20)