Amor, Inocência, mae

Ser mãe

Deitei ao lado da minha filhinha, nariz com nariz.
Pra tentar ajudar ela a pegar no sono, eu fingi que tinha dormido.
Ela, com aquela mini mão gordinha, começou a acariciar meu rosto
bem devagar, deslizava pelas minhas bochechas, descia as mãos
delicadamente até meus lábios e aí os desenhava com seus dedinhos gordos.
Enrolava devagar uma mechinha do meu cabelo que estava na testa.
Quando eu estava ali me sentindo o ser mais amado do universo,
ela sussurra baixinho:
– Mamãe…
Abri uma brechinha dos meus olhos, sorri e disse, sussurrando também:
– Oi meu amor…
E ela com aquela voz de fada:
– Mamãe, você é muito feia…

Como diria Gonzaguinha: “Eu fico com a pureza da resposta das crianças”

PENSE UM POUCO…

Drama, Exemplo, mae

A FITA ROSA

FITA ROSA

Um homem atraente, de meia idade, entrou em um bar e se sentou. Antes de fazer o pedido não deixou de perceber que um grupo de homens mais jovens que bebiam em uma mesa perto da sua, riam dele.  Somente quando se lembrou da pequena fita rosa que levava na lapela de seu blazer foi que se deu conta que se tratava de uma gozação.

O homem não deu maior importância, mas os insistentes risos na mesa vizinha começaram a incomodá-lo. Olhou a um dos homens diretamente nos olhos, levou o dedo até a lapela e apontou a fita: “Isto?” Com este gesto todos os homens da mesa riram abertamente.

O homem ao qual dirigiu o olhar lhe disse: “Desculpe amigo, mas estavamos comentando como está bonito com esta fitinha rosa no blazer azul”.

Com toda calma, o homem fez um gesto para o gozador convidando-o a se aproximar e sentar com ele à sua mesa. Ainda que estivesse bastante incomodado o homem mais jovem se aproximou e sentou-se. O homem mais velho com uma voz muito calma lhe disse: – “Uso esta fita para chamar atenção sobre o câncer da mama”.

“Eu uso em honra à minha mãe”.
– ”Sinto muito, amigo, Ela morreu de câncer da mama? “.
– “Não. Ela está sadia e muito bem. Mas seus seios me alimentaram quando eu era um bebê e foram abrigo quando tive medo ou me senti só em minha infância. Estou muito agradecido aos seios de minha mãe e por sua saúde”.
–   “Entendo”, respondeu o outro,
não muito convencido.

“Também uso esta fita para honrar à minha mulher”, continuou dizendo o homem.
– ”E ela também está bem?”
– “Claro que sim. Seus seios foram fonte de amor…
Com eles alimentou a nossa bela filha de 23 anos. Estou muito grato pelos seios de minha mulher e por sua saúde”.

– ”Já sei. Suponho que também usa a fita para honrar a sua filha”.

“Não. É muito tarde  para isto. Minha filha morreu de câncer da mama  faz um mês. Ela pensou que era muito jovem para ter câncer, assim quando acidentalmente notou uma pequena protuberância, a ignorou. Ela pensou que, como não a incomodava, nem doía, não havia com que se preocupar”.

Comovido e envergonhado o estranho disse : ”Sinto muito, senhor.”
– “Portanto, também em memória de minha filha uso esta fitinha com muito orgulho. Isto me dá oportunidade de falar com os outros. Quando voltar para a sua casa fale com a sua esposa, suas filhas, sua mãe, suas irmãs, suas amigas. Tome…”, o homem buscou no bolso e entregou ao outro uma pequena fita rosa. Ele a pegou, olhou-a, lentamente levantou a cabeça e lhe disse:

– Poderia me ajudar a colocá-la?

Essa merece que você repasse… 

cicatriz, Conto, mae

CICATRIZES

Num dia caloroso de verão no sul da Florida, um garoto decidiu ir
nadar no lago atrás de sua casa. 

Saiu correndo pela
porta traseira, se jogou na água e ficou nadando feliz.

Sua mãe desde a casa olhava pela janela, e viu com horror o que
estava acontecendo. 

Em seguida correu atrás de seu filho gritando o mais forte que podia.
Ouvindo a mãe, o menino se tocou, olhou e foi nadando ate ela. Porém era tarde, muito tarde. 

A mãe conseguiu agarrar o menino pelos braços
justo quando o animal agarrava suas pernas. A mulher lutava determinada, com toda a força do seu coração. 

O crocodilo era mais forte, mas a mãe era muito mais apaixonada e seu amor não a abandonava.

Um senhor que escutou os gritos correu para o lugar com uma pistola e matou o crocodilo.

O menino sobreviveu e, ainda que suas pernas tenham sofrido
bastante, ele pôde voltar a caminhar.


Quando saiu do trauma, um enfermeiro lhe perguntou se
ele podia mostrar as cicatrizes das suas pernas. 

O menino levantou o lençol e mostrou ao rapaz. 

Então, com grande orgulho e arregaçando as mangas
ele disse: “Mas as que você deve ver são estas”.

Eram as marcas das unhas da sua mãe que haviam pressionado  com força sua pele.

“As tenho porque mamãe não me soltou e salvou minha vida”.

Moral da Historia:

Nos também temos cicatrizes de um passado doloroso. 

Algumas foram causadas por nossos pecados, 

por pequenas ou grandes falhas, por desobediência, porem algumas foram das unhas de Deus que nos segurou com força para que não caíssemos nas garras do mal. 

Jesus te abençoe sempre…

mas lembra que se alguma vez doeu tua alma, foi porque Deus te agarrou bem forte para não te perder.