Humor

ISSO É EXTRAORDINÁRIO!…

 

14256_370142896407113_2067598909_n

 

Um médico estava fazendo sua caminhada matinal quando viu essa velhinha

sentada no degrau da varanda, fumando um cigarro.

Curioso, ele perguntou:

“Não pude deixar de notar como a senhora parece satisfeita com a vida!

Qual o seu segredo?”

“Eu fumo três maços de cigarros por dia” ela respondeu.

“Não tenho hora pra dormir e antes de ir pra cama eu fumo um grande baseado.

Fora isso, eu bebo uma garrafa de pinga a cada 3 dias e só como besteiras,

porcarias, nada de proteínas, carboidratos, legumes, verduras, essa baboseira toda.

E nos finais de semana, tomo pílulas, faço sexo adoidado e nenhuma porcaria de exercício físico.

E o médico muito espantado: “Isso é extraordinário!

Quantos anos a senhora tem?”

“Trinta e quatro…”

 

(desconheço o autor)

Conto, Humor

CASAL PERFEITO

 

ERA UMA VEZ… Um homem perfeito que conheceu uma mulher perfeita.
Namoraram e um dia se casaram. Formavam um casal perfeito.
Numa noite de Natal, ia o casal perfeito, por uma estrada deserta, quando
viram alguém no acostamento pedindo ajuda. Como eram pessoas perfeitas,
pararam para ajudar. Essa pessoa era nada mais nada menos do que Papai Noel,
cujo trenó havia enguiçado. Não querendo deixar milhões de crianças
decepcionadas, o casal perfeito se ofereceu para ajudá-lo a distribuir os
presentes. O bom velhinho entrou no carro e lá foram eles. Infelizmente o
carro se envolveu em um acidente e somente um dos três ocupantes
sobreviveu.

PERGUNTA: Quem foi o sobrevivente do trágico acidente?
A mulher perfeita, o homem perfeito ou o Papai Noel?

RESPOSTA: A mulher perfeita sobreviveu. Na verdade, ela era a única personagem real
dessa história. Todo mundo sabe que Papai Noel e homem perfeito não existem.

ATENÇÃO: Se você é mulher, pode parar de ler a mensagem acaba aqui.
(Homens podem continuar lendo abaixo)

AGORA, se Papai Noel não existe, nem homem perfeito, fica claro que quem
dirigia era a mulher – o que explica o acidente…

SE VOCÊ é mulher e leu até aqui, fica provada mais uma teoria:
Mulheres são curiosas, metem o bedelho onde não são chamadas e são
incapazes de seguir instruções.
Tá rindo, né….??

Humor

Sem sexo até …

Eu nunca havia entendido porque as necessidades sexuais dos homens e das mulheres são tão diferentes.
Nunca tinha entendido isso de ‘Marte e Vênus’.
E nunca tinha entendido porque os homens pensam com a cabeça e as mulheres com o coração.
Uma noite, na semana passada, minha mulher e eu estávamos indo para a cama.
Bem, começamos a ficar a vontade, fazer carinhos, provocações, o maior ‘T‘ e, nesse momento, ela parou e me disse:

– Acho que agora não quero, só quero que você me abrace…

Eu falei: – O QUEEE ???

Ela falou: – Você não sabe se conectar com as minhas necessidades emocionais como mulher.
Comecei a pensar no que podia ter falhado.
No final, assumi que aquela noite não ia rolar nada, abracei e dormi.
No dia seguinte, fomos ao shopping. Entramos em uma grande loja de departamentos. Fui dar uma volta enquanto ela experimentava três modelitos caríssimos. Como estava difícil escolher entre um ou outro, falei para comprar os três. Então, ela me falou que precisava de uns sapatos que combinassem a R$ 200,00 cada par. Respondi que tudo bem. Depois fomos a seção de joalheria, onde gostou de uns brincos de diamantes e eu concordei que comprasse. Estava tão emocionada!!! Deveria estar pensando que fiquei louco. Acho até que estava me testando quando pediu uma raquete de tênis, porque nem tênis ela joga. Acredito que acabei com seus esquemas e paradigmas quando falei que sim. Ela estava quase excitada sexualmente depois de tudo isso. Vocês tinham que ver a carinha dela, toda feliz! Quando ela falou:

– Vamos passar no caixa para pagar, amor? Daí eu disse:

– Acho que agora não quero mais comprar tudo isso, meu bem… Só quero que você me abrace.

Ela ficou pálida. No momento em que começou a ficar com cara de querer me matar, falei:

– Você não sabe se conectar com as minhas necessidades financeiras de homem.
Vinguei-me! Mas acredito que o sexo acabou pra mim até o Natal de …

(Luís Fernando Veríssimo)