Drama, Fábula, leoes

LÁ VEM O LEÃO…

 

145

Estavam no meio da mata um americano e um japonês. De repente, ouviu-se o rugido de um leão. Os dois homens se olharam. Imaginem o que devem ter pensado. O japonês sentou-se num toco de árvore, retirou a pesada bota que estava utilizando e colocou um tênis muito mais leve e macio. O americano, desesperado, reclamou:

– Japonês, temos que pensar em algo; o leão vai nos devorar. Será que você acha que com esse tênis vai correr mais que o leão?

– Não seja tolo – disse o japonês. – Basta que eu corra mais que você

engano, Fábula

BURROS 2

 

imagesCA1ENODF

      
Um velho fazendeiro chamou seus dois burros para transportar duas cargas importantes. 
– Tenho aqui um saco de sal e cinco sacos de esponjas para serem levados até a cidade. Cada um deve pegar uma das cargas e pôr-se a caminho.
O primeiro burro, que se considerava o mais esperto, logo apoderou-se da carga de esponjas dizendo: – Eu levo esta carga que é cinco vezes maior que a outra. 
O segundo burro pegou a carga de sal que lhe sobrara e foi estrada a fora amaldiçoando seu companheiro cuja carga era infinitamente mais leve. 
Depois de muito caminharem chegaram às margens de um rio que deveriam atravessar. Entraram na água e ao saírem na outra margem do rio o sal havia derretido, mas as esponjas ficaram encharcadas e extremamente pesadas.

Moral da história: Muitas pessoas, que se consideram espertas, acabam sendo vítimas de suas próprias artimanhas.

 

Do livro: Fábulas – Monteiro Lobato – Editora Brasiliense

Conto, Fábula

O LOBO E O CORDEIRO

Lobo&Cordeiro

Estava um cordeiro bebendo água na parte inferior de um rio; chegou um lobo, na parte de cima, e cravando nele os olhos famintos, disse-lhe com voz cheia de ameaça:

– Quem lhe deu o atrevimento de sujar a água que pretendo beber?

– Senhor, respondeu humilde o cordeiro, repare que a água desce para mim. Assim não a posso sujar…

– E ainda é bocudo e insolente! redarguiu o lobo arreganhando os dentes; ouvi dizer que no ano passado você falou mal de mim.

– Como o faria, contestou o cordeirinho, se só tenho seis meses de vida e ainda não tinha nascido…

– Pois se não foi você deve ter sido seu pai, seu irmão ou algum dos seus parentes e por eles você vai pagar. Dito isto, atirou-se sobre ele e o foi devorando.

MORAL: Foge do mau; com ele não argumentes. As melhores razões te não poderão livrar da sua fúria.

Evita-o, fugindo.