ensino

O sábio e o jogo de damas

images

Num vilarejo da Europa, um respeitado rabino entrou na casa de estudos, num momento em que não o esperavam, e encontrou seus discípulos jogando damas, quando deveriam estar estudando as leis sagradas, como era o costume naqueles tempos. Quando viram o mestre, ficaram confusos sem saber o que fazer. Pararam o jogo imediatamente. Um dos discípulos, envergonhado, tentou se desculpar: – Perdoe-nos, mestre. Apenas queríamos nos distrair um pouco! O velho fez um gesto bondoso e perguntou: – Vocês conhecem as regras do jogo de damas? Como ninguém respondeu, o rabino mesmo tratou de responder: – Vou lhes dizer: a primeira é que duas jogadas não podem ser feitas em seguida; a segunda, que somente se pode mover para frente e não para trás; a terceira, que, quando se chega à última fila, você está livre para ir aonde quiser. Vocês estão aprendendo lições muito importantes sobre a nossa existência. Prossigam com o jogo, por favor, prossigam.

ensino, Exemplo, reflexão

Aprendi com as formigas

 

Outro dia, vi uma formiga que carregava uma enorme folha com sacrifício.
Foram muitos os tropeços, mas nem por isso a formiga desanimou de sua tarefa,
até que chegou próximo de um buraco, que devia ser a sua casa.
A folha era muito maior do que a boca do buraco, então, ela entrou sozinha.
Pensei: “ Coitada, tanto sacrifício para nada.”
Mas de repente, do buraco saíram outras formigas, que começaram a cortar
a folha em pequenos pedaços.
Em pouco tempo, a grande folha deu lugar a pequenos pedaços e eles
estavam todos dentro do buraco.
Imediatamente pensei nas minhas experiências.
Quantas vezes desanimei diante das dificuldades?
Talvez, se a formiga tivesse olhado para o tamanho da folha,
nem teria começado a carrega-la.
Naturalmente, transformei minha reflexão em oração e pedi ao Senhor:
Que me desse a tenacidade daquela formiga, para “carregar”
as dificuldades do dia-a-dia.
Que me desse a perseverança da formiga, para não desanimar
diante das quedas.
Que eu pudesse ter a inteligência dela, para dividir (em pedaços) o fardo que,
às vezes se apresenta grande demais.
Que eu tivesse a humildade para partilhar com os outros o êxito da chegada,
mesmo que o trajecto tivesse sido solitário.
Pedi ao Senhor a graça de, como aquela formiga, não desistir da caminhada,
mesmo quando, pelo tamanho da carga, não consigo ver com nitidez o caminho a percorrer.

E
Agradeci ao Senhor por ter colocado aquela formiga em meu caminho,
e pelo ensinamento da perseverança.

engano, ensino, felicidade, Valor

Clube 99

Era uma vez um rei muito rico. Tinha tudo. Dinheiro, poder, conforto, centenas de súditos. Mas, ainda assim não era feliz.
Um dia, cruzou com um de seus criados, que assobiava alegremente enquanto esfregava o chão com uma vassoura.
O rei ficou intrigado.
Como ele, um soberano supremo do reino, poderia andar tão cabisbaixo enquanto um humilde servente parecia desfrutar de tanto prazer?
– “Por que você está tão feliz?”, perguntou o rei.
– “Majestade, sou apenas um serviçal. Não necessito muito. Tenho um teto para abrigar minha família e uma comida quente para aquecer nossas barrigas”.
O rei não conseguia entender. Chamou então o conselheiro do reino, a pessoa em que mais confiava.
– “Majestade, creio que o servente não faça parte do Clube 99.
– “Clube 99? Mas, o que é isso?”
– “Majestade, para compreender o que é o Clube 99, ordene que seja deixado um saco com 99 moedas de ouro na porta da casa do servente”.
E assim foi feito.
Quando o pobre criado encontrou o saco de moedas na sua porta, ficou radiante. Não podia acreditar em tamanha sorte. Nem em sonhos tinha visto tanto dinheiro.
Esparramou as moedas na mesa e começou a contá-las.
-“…96, 97, 98… 99.”
Achou estranho ter 99. Achou que talvez tivessem derrubado uma.
Provavelmente eram 100. Mas, por mais que procurasse, não encontrou nada. Eram 99 mesmo.
De repente, por algum motivo, aquela moeda que faltava ganhou uma súbita importância.
Com apenas mais uma moeda de ouro, uma só, ele completaria 100. Um número de 3 dígitos! Uma fortuna de verdade.
Ficou então obcecado por completar seu recente patrimônio com a moeda que faltava.
Decidiu que faria o que fosse preciso para conseguir mais uma moeda
de ouro. Trabalharia dia e noite. Afinal, estava muito perto de ter uma fortuna de 100 moedas de ouro.
Ele seria um homem rico, com 100 moedas de ouro.
E, daquele dia em diante, a vida do servente mudou.
Passava o tempo todo pensando em como ganhar uma moeda de ouro.
Estava sempre cansado e resmungando pelos cantos. Tinha pouca paciência com a família que não entendia o que era preciso para conseguir a centésima moeda de ouro.
Parou de assobiar enquanto varria o chão.
O rei, percebendo essa mudança súbita de comportamento, chamou seu conselheiro.
– “Majestade, agora o servente faz, oficialmente, parte do Clube 99.
E continuou:
– “O Clube 99 é formado por pessoas que têm o suficiente para serem felizes, mas mesmo assim não estão satisfeitas”.
“Estão constantemente correndo atrás dessa moeda que lhes falta. Vivem repetindo que se tiverem apenas essa última e pequena coisa que lhes falta, aí sim poderão ser felizes de verdade”.
“Majestade, na realidade é preciso muito pouco para ser feliz. Porém, no momento em que ganhamos algo maior ou melhor, imediatamente surge a sensação de que poderíamos ter mais”.
“Passamos a acreditar que, com um pouco mais, haveria de fato, uma grande mudança. E ficamos em busca de um pouco mais. Só um pouco mais”.
“Perdemos o sono, nossa alegria, nossa paz e machucamos as pessoas que estão a nossa volta”.
“O pouco mais, sempre vira… um pouco mais”.
“Esse pouco mais é o preço do nosso desejo.”

E concluiu:

– “Isso, majestade… é o Clube dos 99.
FÁBULA ÁRABE:  “Nascemos sem trazer nada, morremos sem levar nada…
E, no meio do intervalo entre a vida e a morte, brigamos por aquilo que não trouxemos e não levaremos…”

Pense nisso: Viva mais, ame mais, perdoe sempre e seja mais Feliz.

E você que é desse clube, qual é a moeda que está faltando?…

ensino, Orientação, Reconhecimento

A primeira ovelha

Bom dia, D. Cris!

Ouvindo  a palavra amiga do Bispo Macedo sobre a oferta de Abel, uma palavra ficava sempre na minha cabeça: “a primeira ovelha”. Ele agradou tanto a Deus com a entrega da primeira ovelha, que eu quis saber “a importância dela”, para que eu também pudesse fazer o mesmo que Abel. Me lembrei então de uma família, a qual seu entes são membros da Universal de Nazareth, cujo o pai era um pastor de ovelhas, procurei-os, e divido com a senhora as informações que me passaram.

A primeira ovelha é a que dá origem a todo o rebanho, ela os gera, os alimenta com seu leite, os cria, os lidera. Um pastor que tem a primeira ovelha bem domada, não tem trabalho em pastorear o rebanho, pois ele a conduz, e ela lidera todo o resto. O rebanho segue a primeira ovelha.

Se pegarmos uma pequena, não há muita perda, pois ela ainda não tem nada a oferecer, não tem carne, não tem gordura, não tem lã, não pode procriar.

Já a primeira ovelha não! Ela tem muita carne, muita gordura, muita lã, muito leite, possibilidade de continuar gerando e aumentando o seu rebanho, fora que, se tirá-la, todo o resto do rebanho se perde, pois se sente confuso, sem referência.

Muito forte, não é mesmo?

Com carinho,
Josi

Amor, ensino, Exemplo, felicidade

Em troca o que sempre durará…

Um homem muito pobre tinha uma esposa,
ela tinha um cabelo muito comprido e cuidava dele com muito zelo
um dia sua escova quebrou e ela queria uma nova
para continuar penteando seu cabelo
então ela pediu a seu marido
– meu amor você pode comprar uma escova nova?
– querida meu relógio também quebrou e não tenho dinheiro para consertar.
estando o marido de volta do trabalho quando passou por uma relojoaria e pensou
“se eu oferecer meu relógio velho com o pouco que receber em troca
posso comprar uma escova nova para minha esposa.
E assim ele fez e voltou para casa com o precioso presente
quando chegou em casa não podia acreditar no que seus olhos estavam vendo
o longo cabelo de sua esposa tinha desaparecido… Ela estava com o cabelo curto!
– Amor vendi meu cabelo para comprar um relógio novo pra você
Disse ela entregando o presente orgulhosa e sorridente.
O marido com lágrimas nos olhos lhe deu a escova que tinha comprado.

Essa história nos ensina que todos nós fazemos sacrifícios para quem mais amamos
mas não devemos esquecer que a beleza e as coisas materiais acabam com o tempo
em troca o que sempre durará…
É O AMOR!

engano, ensino, felicidade

Mocidade, maturidade e velhice


Há uma lenda em que um sábio oferece à venda um livro dividido em três volumes de oráculos, ao rei de Roma.
O preço dos três volumes era tão alto que o rei se recusou a pagá-lo. Na presença dele o sábio queimou um dos livros.
Anos depois, o rei mandou chamar o sábio e perguntou o preço dos dois volumes que sobraram, descobriu espantado que o preço dos mesmos equivalia ao preço dos três.
Tendo novamente recusado o preço, queimou o sábio o segundo volume. Mais tarde, achando que o preço do volume que sobrou seria menor que os dos outros dois, ficou surpreendido ao saber que correspondia ao preço dos três volumes. Ficou sabendo, então que os três volumes tinha muito a ver com mocidade, maturidade e velhice.
Os homens são dispostos a pensar que o preço da felicidade é demasiado alto. Na mocidade não pagam o preço de uma vida com Deus, e assim 1/3 da sua vida vai embora.
Para a maturidade o mesmo preço é pedido, isto é, a renuncia, a negação do seu eu, a visão da eternidade e o objetivo final. Recusado isso, só resta então a velhice. Aqui a renúncia torna-se mais difícil e parece mais dura, por causa de hábitos fixos e arraigados.

Se o preço fosse pago no começo, ficar-se-ia com os três volumes e a felicidade.

Amor, Deus, ensino, lição de vida

É muito difícil entender o ser humano

funeral

Na maioria das vezes.
É muito difícil de entender o ser humano.
Pois ele mesmo com suas atitudes se torna estranho.
Pois eles brigam com quem está vivo.
E leva flores para os mortos.
Lança quem está vivo na sarjeta com palavras e humilhações.
E pede para que os mortos sejam colocados em um bom lugar, “que Deus o tenha.”
Se afastam por causas de besteiras dos vivos.
E se agarram desesperadamente quando estes morrem.
Ficam anos sem conversar com quem está vivo.
E se desculpa e faz homenagens quando este morre.
Critica, julga, fala mal e ofende quem está vivo.
E fala que ele ou ela era uma boa pessoa quando morre
Fala das suas qualidades e que o amava quando morre.
Não liga, não abraça, não se importa.
Quando aquele amigo ou familiar está vivo.
Mais se autoflagelam quando estes morrem.
Aos olhos cegos do homem e mulher.
O valor do ser humano está na sua morte e não na sua vida.
Porque muitos deixam para fazer as melhores coisas da vida.
Pelo próximo quando estes morrem.
Sendo que não adianta mais nada a fazer.
Pois quem parte deste mundo não se lembra.
E nem vê nada do que está acontecendo aqui.
Então abrace, beije, perdoe e acima de tudo ame.
Mais ame com todas as suas forças o seu próximo.
Como você ama a você mesmo.
Pois esse é o maior e o primeiro mandamento de Deus.

ensino

Sua geração não se preocupou o suficiente com o nosso ambiente

 

Na fila do supermercado, o caixa diz a uma senhora idosa:

– A senhora deveria trazer suas próprias sacolas para as compras, uma vez que
sacos de plástico não são amigáveis com o ambiente.
A senhora pediu desculpas e disse: – Não havia essa onda verde no meu tempo.
O empregado respondeu: – Esse é exatamente o nosso problema hoje,
minha senhora.
Sua geração não se preocupou o suficiente com o nosso ambiente.

– Você está certo – responde a velha senhora – nossa geração não se preocupou adequadamente com o ambiente.

Naquela época, as garrafas de leite, garrafas de refrigerante e cerveja eram devolvidos à loja. A loja mandava de volta para a fábrica, onde eram lavadas e esterilizadas antes de cada reuso, e eles, os fabricantes de bebidas, usavam as garrafas, umas tantas outras vezes.

Realmente não nos preocupamos com o ambiente no nosso tempo. Subíamos as escadas, porque não havia escadas rolantes nas lojas e nos escritórios. Caminhávamos até o comércio, ao invés de usar o nosso carro de 300 cavalos de potência a cada vez que precisamos ir a dois quarteirões.

Nós não nos preocupávamos com o ambiente. Até então, as fraldas de bebês eram lavadas, porque não havia fraldas descartáveis. Roupas secas: a secagem era feita por nós mesmos, não nestas máquinas bamboleantes de 220 volts. A energia solar e eólica é que realmente secavam nossas roupas. Os meninos pequenos usavam as roupas que tinham sido de seus irmãos mais velhos, e não roupas sempre novas.

Mas é verdade: não havia preocupação com o ambiente, naqueles dias. Naquela época só tínhamos somente uma TV ou rádio em casa, e não uma TV em cada quarto. E a TV tinha uma tela do tamanho de um lenço, não um telão do tamanho de um estádio; que depois será descartado como?

Na cozinha, tínhamos que bater tudo com as mãos porque não havia máquinas elétricas, que fazem tudo por nós. Quando embalávamos algo um pouco frágil para o correio, usamos jornal amassado para protegê-lo, não plástico bolha ou pellets de plástico que duram cinco séculos para começar a degradar.

Naqueles tempos não se usava um motor a gasolina apenas para cortar a grama, era utilizado um cortador de grama que exigia músculos. O exercício era extraordinário, e não precisava ir a uma academia e usar esteiras que também funcionam a eletricidade.

Mas você tem razão: não havia naquela época preocupação com o ambiente. Bebíamos diretamente da fonte, quando estávamos com sede, em vez de usar copos plásticos e garrafas pet que agora lotam os oceanos.

Canetas: recarregávamos com tinta tantas vezes ao invés de comprar outra. Amolávamos as navalhas, ao invés de jogar fora todos os aparelhos ‘descartáveis’ e poluentes só porque a lâmina ficou sem corte.

Na verdade, tivemos uma onda verde naquela época. Naqueles dias, as pessoas tomavam o bonde ou ônibus e os meninos iam em suas bicicletas ou a pé para a escola, ao invés de usar a mãe como um serviço de táxi 24 horas. Tínhamos só uma tomada em cada quarto, e não um quadro de tomadas em cada parede para alimentar uma dúzia de aparelhos. E nós não precisávamos de um GPS para receber sinais de satélites a milhas de distância no espaço, só para encontrar a pizzaria mais próxima.

Então, não é risível que a atual geração fale tanto em “meio ambiente”, mas não quer abrir mão de nada e não pensa em viver um pouco como na minha época?

 

Copiado do blog abaixo:

ensino, Mensagem, Motivacional, Opinião

CARTA DE UM HOMEM

Prezada mulher,

Há uma coisa que eu quero que você entenda sobre nós HOMENS.

Quando você posta fotos seminuas de si mesma no Facebook, fazendo uma pose sexy, mostrando os seios, ou deitada sedutoramente em sua cama, a única coisa que você está nos fazendo sentir é desejo sexual por você.

Eu sei que você vai ficar tão animada com as 500 curtidas, os 120 comentários pra lá de fofos e as inúmeras mensagens privadas, que vai querer postar cada vez mais fotos pra se sentir cada vez mais no topo.

MAS TEM UMA COISA IMPORTANTE QUE VOCÊ PRECISA SABER. Na realidade, nenhum desses caras que curtem, comentam, ou enviam mensagens privadas ama você. Tudo o que eles querem é usá-la e depois jogá-la fora. Para ser sincero, eles odeiam você, pois nenhum deles a levaria para casa para ser sua esposa. Acredite em mim, para eles, você não passa de uma menina de programa em busca de popularidade barata no Facebook.

Os homens, ricos ou pobres, admiram mulheres que se vestem com decência e se respeitam. Uma vestimenta decente, que não revela muito o seu corpo, nos leva a amar e respeitar você. Ela nos diz que você é uma mulher virtuosa, alguém que podemos levar para casa para ser nossa esposa e mãe dos nossos filhos. Ela nos diz que você foi criada com princípios morais e nos dá detalhes do seu bom histórico familiar.

Nós não nos preocupamos muito com maquiagem excessiva… uma mulher que serve para ser esposa sempre se sobressai, não importa o quê.

Valorize o seu corpo, seja verdadeira, se respeite, e um bom homem que vai respeitá-la vai encontrá-la de um jeito ou de outro.

Copiado do Blog da Cristiane Cardoso

Escritora dos livros ‘Melhor do que Comprar Sapatos’, ‘A Mulher V’, e ‘Casamento Blindado’. Fundadora de ‘Godllywood’ e ‘Projeto Raabe’. Apresentadora do programa ‘Escola do Amor’ na Rede Record aos sábados 12h.