Confiar, Conto, Obedecer

O que você quer de mim meu filho?

Esta é a história de um alpinista que sempre buscava superar mais e mais desafios. Ele resolveu depois de muitos anos de preparação escalar o Aconcágua. Mas ele queria a glória somente para ele, e resolveu escalar sozinho sem nenhum companheiro, o que seria natural no caso de uma escalada dessa dificuldade.
Começou a subir e foi ficando cada vez mais tarde, e porque não havia se preparado para acampar, resolveu seguir a escalada decidido a atingir o topo. Escureceu, e a noite caiu como um breu nas alturas da montanha, e não era possível mais enxergar um palmo à frente do nariz, não se via absolutamente nada! Tudo era escuridão. Zero de visibilidade.
Não havia Lua e as estrelas estavam coberta pelas nuvens. Subindo por uma “parede” a apenas 100 m. do topo ele escorregou e caiu … Caia a uma velocidade vertiginosa. Somente conseguia ver as manchas que passavam cada vez mais rápidas na mesma escuridão, e sentia a terrível sensação de ser sugado pela força da gravidade. Ele continuava caindo… e nesses angustiantes momentos passaram por sua mente todos os momentos felizes e tristes que já havia vivido em sua vida.
De repente ele sentiu um puxão forte, que quase o partiu pela metade… Shack! Como todo alpinista experimentado, havia cravado estacas de segurança com grampos a uma corda comprida que fixou em sua cintura. Nesses momentos de silêncio suspendido pelos ares na completa escuridão, não havia nada a fazer a não ser gritar:

– Ó meu Deus me ajude!
De repente, uma voz grave e profunda vinda dos céus respondeu:
– O que você quer de mim meu filho?
– Salve-me meu Deus, por favor!
– Você realmente acredita que eu possa te salvar?
– Eu tenho certeza, meu Deus!
– Então, corte a corda que te mantém pendurado…

Ouve um momento de silêncio e reflexão. O homem se agarrou mais ainda a corda e refletiu que se fizesse isso morreria…

Conta o pessoal de resgate que ao realizar as buscas encontrou um alpinista congelado, morto, agarrado com força com suas duas mãos a uma corda… a tão-somente meio metro do chão.

Conto

De repente

De repente a roupa de marca, o perfume importado e as jóia  não servem mais para nada, porque não tem onde exibi-las.
De repente todo o dinheiro guardado não tem onde ser usado, porque não se pode viajar ou fazer compras nos shoppings.
De repente um carro só é o suficiente, porque não se pode ir para lugar algum
De repente a casa de praia terá que ficar vazia, porque não se pode chamar os amigos para um fim de semana juntos.
De repente aquele  churrasco com a família  teve que ser cancelado e a carne congelada, porque não se pode fazer reunião familiar.
De repente aquela linda casa que vivia cheia  ficará sem ninguém  porque não se pode receber visitas.
De repente os idosos  terão que ficar sozinhos sem o carinho dos filhos e netos porque um simples abraço  pode custar sua vida
De repente aquela sonhada festa teve que ser cancelada, porque as pessoas tem medo de estar juntas.
De repente a vontade de estar perto das  pessoas queridas se tornou um desejo proíbido  porque amar agora é ficar distante
De repente entrar na igreja se tornou algo impossível,  porque as portas estão fechadas.
De repente o mundo inteiro afetado porque uma pandemia ameaça a população.
De repente tudo que se precisa é colocar Deus em primeiro lugar 🙏, porque mais nada importa agora.

Conto

LÓGICA INVERTIDA


Ouvi um homem dizer:
– Se gozasse da saúde do corpo e da lucidez da mente,
poderia realizar grandes obras e conquistar grandes vitórias.
Fiquei a meditar nessas palavras, e pareceu-me que resultavam
duma lógica invertida, e que seu autor deveria, antes, ter dito:
– Se eu estivesse trabalhando numa obra em que acreditasse,
e se procurasse conquistar grandes vitórias,
gozaria da saúde do corpo e da lucidez da mente.
————————————————————–
A ovelha viu o açougueiro amolar a faca e disse-lhe:
“Cuidado, meu mestre, para não ferir teu dedo”.
————————————————————–
Um menino queria testar um velho sábio, e falou para um amigo:
“vou provar para todo mundo que ele não é sabio”.
Pegou um passarinho nas mãos, e falou para um amigo:
“Vou pôr o passarinho atrás e perguntar para ele se o
passarinho está vivo ou se está morto: se ele falar que está morto
eu mostro o passarinho vivo; se ele falar que está vivo,
eu esmago o passarinho, e ele vai errar de qualquer jeito.”
Chegou perto do sábio e perguntou:
“Sr. Sábio, o passarinho que eu tenho aqui atrás está morto ou está vivo ?”
E o sábio respondeu:
“A resposta…. está em suas mãos!”
————————————————————–
No círculo dos joalheiros de Bassóra, ouviu-se um árabe contar esta história:
“Uma vez, perdi-me no deserto, sem provisões. Estava prestes a morrer
quando subitamente vi de longe um saco. Nunca esquecerei a alegria que senti
ao pensar que o saco continha grãos de trigo fritos, e, depois,
a minha amargura e desespero quando descobri que só continha pérolas!”

CONTOS ÁRABES

Conto

A LOJA DE DEUS

Entrei numa loja e vi um senhor no balcão.
Maravilhado com a beleza da loja, perguntei : Senhor, o que vendes aqui ?
-Todos os dons de Deus.
-E custa muito caro ?
-Não custa nada, aqui tudo é de graça!
Contemplei a loja e vi que havia jarros de amor, vidros de fé, pratos de esperança, caixinha de salvação, muita sabedoria, saúde, fardos de perdão, pacotes grandes de paz e muitos outros dons de Deus. Tomei coragem e pedi
-Por favor, quero o maior jarro e amor de Deus, todos os fardos de perdão, um vidro grande de fé, muita saúde, esperança, bastante felicidade e salvação eterna para mim e para toda a minha família.
Então o senhor me preparou tudo e entregou-me um pequenino embrulho que cabia na palma da minha mão. Incrédula disse:
– mas como é possível estar tudo o que eu pedi aqui ?
Sorrindo o senhor me respondeu.
Meu querido irmão aqui na loja de Deus não vendemos frutos só as sementes.
Plante-as! Cultive-os no coração e distribua ao próximo.

Conto, Humor, Opinião

Nevou no Rio de Janeiro…

Nevou no Rio de Janeiro, pela primeira vez na história!!!

8:00 Eu fiz um boneco de neve.

8:10 Uma feminista passou e me perguntou porque eu não fiz uma mulher de neve.

8:15 Eu fiz uma mulher de neve.

8:17 Minha vizinha feminista reclamou do perfil voluptuoso da mulher da neve dizendo que ela ofende as mulheres da neve em todos os lugares.

8:20 O casal gay que mora nas proximidades teve um ataque de raiva e
protestou, porque poderiam ter sido dois homens de neve.

8:22 Um transgênero da outra rua me perguntou por que não fazia um boneco com partes removíveis.

8:25 Os veganos no final da rua se queixaram do nariz de cenoura, já
que os vegetais são comida e não para decorar bonecos da neve.

8:31 O cavalheiro muçulmano do outro lado da rua exige aos berros que a mulher da neve use uma burca.

8:40 A polícia chega dizendo que há uma denúncia anônima contra mim, de alguém que foi ofendido pelo meu racismo e discriminação, porque os bonecos são brancos.

8:42 A vizinha feminista reclamou novamente que a vassoura da mulher
da neve deveria ser removida porque ela representa as mulheres em um papel doméstico de submissão.

8:43 Um promotor chegou e ameaçou me processar se eu não pedisse desculpas públicas pelo maldito boneco de neve.

8:45 A equipe de jornalismo da TV apareceu. Eles me perguntam se eu sei
a diferença entre bonecos de neve e mulheres de neve. Eu respondo: as
“bolas de neve” e agora elas me chamam de sexista.

9:00 Estou no noticiário como um suspeito, terrorista, racista,
delinquente, com tendências homofóbicas, determinado a causar
problemas durante o mau tempo. Estou passando por tudo isso por causa
dos malditos bonecos de neve!!

9:05 Quem mandou fazer a droga dos bonecos de neve?… Estão me perguntando se eu tenho um cúmplice. Ou se alguma organização me incentivou a fazer os bonecos, nas redes sociais.

9:29 Os manifestantes da extrema esquerda e da extrema direita,
ofendidos por tudo, estão marchando pelas ruas exigindo que me
decapitem.

9:32 Os neonazistas marcham em frente à minha casa acusando-me de ser comunista.

9:35 Os comunistas me chamam de fascista.

9:35 As feministas me xingam e pintam a fachada da minha casa com a palavra “machista”.

9:45 Os evangélicos me acusam de querer usurpar o lugar de Deus, por criar um homem e uma mulher de neve, e querem me exorcizar, dizendo que eu realizei um ritual pagão.

9:55 Organizações ambientais me acusam de poluir a neve.

Moral da história: não há. É apenas o mundo em que vivemos hoje – e vai piorar. O que foi aqui narrado pode ocorrer, e algumas coisas já estão acontecendo. De tudo isso, a coisa mais difícil de acontecer é… neve no Rio de Janeiro

Conto

Pai, como eu nasci? 4.0

Não está fácil sobreviver, sem sequelas, neste novo mundo da eletrônica, internet, celulares, hologramas etc. copiei o relato que transcrevo a seguir! Se não for isso, é mais ou menos quase isso. Vejamos: – “Como explicar sobre gravidez para uma criança do século XXI, quando abelhas, flores, sementes, cegonha já estão fora de moda?
Hoje, a explicação é moderna.

O filho pergunta pro pai:
– Pai, como eu nasci?
– Pois bem, meu filho, um dia sabia que falaríamos disso, então vou explicar o que você precisa saber: Um dia, papai e mamãe se conectaram no facebook e ficaram amigos. Papai mandou um tweet convidando sua mãe para ir a um cybercafé. Descobrimos que tínhamos muitos links e likes em comum e nos entendíamos muito bem.
Quando não estávamos no laptop, conversávamos pelo Whats e skype . E fomos dando mais likes, até que certo dia decidimos compartilhar nossos arquivos. O papai introduziu seu pendrive na porta USB da mamãe. Quando o download dos arquivos começou, percebemos que havíamos esquecido do software de segurança e que não tínhamos firewall nem filtro de snapchat.
Já era tarde para cancelar o download e foi impossível apagar os arquivos, gerando a mensagem “INSTALAÇÃO REALIZADA COM SUCESSO”.
Com isso as notificações mensais da sua mãe pararam de chegar e nove meses depois você apareceu como novo contato de usuário, solicitando login e senha.

Conto

No silêncio

Um fazendeiro descobriu que tinha perdido o relógio no celeiro, muito valioso e de grande valor sentimental.
Após extensa procura em vão, ele recorreu à ajuda de um grupo de crianças e prometeu uma valiosa recompensa para quem encontrasse o seu relógio.
Quando o fazendeiro estava prestes a desistir, um menino lhe pediu uma chance para procurar, já que todos os outros
não conseguiram. Por que não? Seria uma tentativa a mais.
Então, o fazendeiro autorizou o menino a entrar no celeiro .
Depois de um tempo, o menino saiu com o relógio em sua mão!!!
Todos ficaram espantados. Então o fazendeiro perguntou: “Como conseguiu encontrar?”
O menino respondeu: “Eu não fiz nada a não ser ficar sentado no chão.
No silêncio, eu escutei o tique-taque do relógio e apenas olhei para a direção certa.”
Uma mente em Paz pode pensar melhor do que uma mente confusa, quando falamos com Deus muitas vezes parece um monologo e quando terminamos não esperamos ouvir a resposta de Deus, experimente, quando termina diga para Deus: Senhor fala que o teu servo ouve ( I Samuel 3), dê alguns minutos de silêncio à sua mente, pois assim você ouvirá a voz de Deus que te conduzirá na direção certa e lhe ajudará a definir a sua vida!
Que nós possamos silenciar, porque só no silêncio, podemos ouvir a voz de DEUS.